O presidente brasileiro Michel Temer disse na sexta-feira que quer "vacinar" o país contra o "populismo fiscal" com aumentos limitantes da reforma constitucional na despesa pública que ele espera ser aprovada pelo Congresso.

Temer disse que sem a reforma constitucional, a dívida pública do Brasil pode chegar a 100% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2024 e ele fez um apelo para que líderes empresariais e os meios de comunicação realizem uma campanha em favor de sua aprovação.

"Ao assumir a presidência, eu tinha uma missão para inocular o Brasil com uma vacina para torná-lo imune ao populismo fiscal", disse ele.

A reforma que limitaria os aumentos na despesa pública para abaixo da taxa de inflação do ano anterior terá de enfrentar seu primeiro obstáculo em uma comissão especial da Câmara na próxima semana.

Publicidade
Publicidade

A medida poderia receber a aprovação do Congresso antes do final de outubro, mas os investidores têm se agarrado a uma expectativa acima dos ativos brasileiros, na esperança de reformas favoráveis ​​ao mercado brasileiro, e as propostas serviriam para diluir o seu impacto nos próximos anos.

Em um lembrete do desafio orçamental enorme de frente para a maior economia da América Latina, que perdeu sua classificação de grau de investimento cobiçado do ano passado, os dados dessa sexta-feira (30) mostraram que o déficit orçamentário primário do Brasil atingiu um recorde de 22.267 bilhões de reais em agosto, bem acima das expectativas do mercado.

"Nossos legisladores têm um compromisso inequívoco com as prioridades impostas pela situação do Brasil", disse Temer, que oficialmente tomou o poder no mês passado, quando sua antecessora de esquerda, Dilma Rousseff, foi cassada do cargo da presidência do Brasil.

Publicidade

"A origem desta crise econômica foi essencialmente interna e fiscal," disse Temer em um fórum de negócios em São Paulo.

Enquanto os especialistas dizem que a economia do Brasil poderia emergir da sua pior recessão em décadas no último trimestre deste ano, o desemprego no maior país da América Latina deverá continuar a aumentar.

Os dados do IBGE mostraram nesta sexta-feira que a taxa de desemprego subiu para 11,8 % nos três meses até agosto, ligeiramente acima das expectativas de economistas.

A representante do Partido dos Trabalhadores (PT), Dilma Rousseff, governou o Brasil por cinco anos até sofrer um processo de impeachment pelo Congresso no mês passado sob a acusação de quebra de regras orçamentais. Ela acusou o governo de Temer de planejar a sua saída no governo.

Temer disse que dada à situação no país, o seu governo de centro-direita iria combinar responsabilidade orçamental e social.

Ele disse que com as necessidades sociais consideráveis ​​no Brasil, o Estado teve um papel importante a desempenhar na economia, mas que também reconheceu a importância do setor privado no país. #Política #Crise no Brasil #Michel Temer