As declarações do presidente #Michel Temer, concedidas à um respeitado jornal do Brasil, mostraram um presidente firme em suas convicções. O momento não é propício para aumento de gastos. Temer disse que esse reajuste no teto salarial dos ministros provocaria uma "cascata gravíssima" e vários governadores estão ligando para o presidente, pedindo que evite que isso aconteça. A própria presidente do Supremo Cármen Lúcia se diz contrária esse projeto de aumento, reforçando a tese defendida por Temer e outros senadores.

Os parlamentares do PMDB, que eram a favor desse reajuste, estão começando aos poucos recuar e seguir as declarações do presidente.

Publicidade
Publicidade

O senador Romero Jucá ficou encarregado de repassar a visão de Temer para todos os senadores. O presidente do Senado Renan Calheiros (PMDB-AL) e Eunício Oliveira (PMDB-CE), líder do partido no Senado, já entenderam que Temer está certo. Isso não é prioridade no momento. 

O senador Valdir Raupp (PMDB-RO), que era a favor do aumento, já mudou também de postura.

Lewandowski

Um dos grandes defensores desse projeto de aumento é o ministro Ricardo Lewandowski, que deixou hoje (12), a presidência do Supremo. Renan Calheiros queria atender o pedido de Lewandowski na campanha pelo aumento, porém não deu tempo de ser aprovado com o ministro no poder. Com Cármen Lúcia entrando, o reajuste ficou mais longe de acontecer e Renan resolveu atender o presidente Michel Temer e mudou também sua decisão.

Ponto final

De acordo com o relator do projeto na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE), Ricardo Ferraço (PSDB-ES), Temer colocou um ponto final nesse assunto e o PMDB já aderiu às decisões do presidente.

Publicidade

"Temer deixou claro que a base precisa seguir sua orientação", disse Ferraço. 

O líder do #Governo no Senado, Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP), disse que Temer está correto em colocar sua visão nos fatos e isso é de grande importância para evitar que o projeto de reajuste aconteça. Tanto Aloysio quanto Ferraço sempre foram contra esse aumento e segundo eles, o Senado não possui disposição para que esse aumento seja confirmado.  #Senado Federal