Os protestos contra o impeachment, que estão acontecendo em várias cidades do país desde a última quarta-feira, 31, parecem não estar surtindo efeito no recém-empossado presidente do Brasil, #Michel Temer, e no ministro das relações exteriores do país, #José Serra. Primeiro a dupla ignorou as manifestações ao viajar para a China, ao invés de ficar no Brasil e tentar reunificar o país neste momento delicado da democracia, com protestos cada vez mais violentos. Eles estão no país asiático para participar da cúpula do G-20, grupo das 20 maiores economias do mundo. Por fim, Temer e seu ministro debocharam dos manifestantes que estão protestando contra seu governo.

Publicidade
Publicidade

O comentário mais contundente partiu do ministro José Serra. Perguntado pela Folha de São Paulo acerca das manifestações violentas registradas em São Paulo, Serra respondeu: "mini mini mini mini", em tom de deboche. O que José Serra quis dizer, na realidade, é a expressão "mimimi", muito conhecida entre os jovens (que são a maioria dos manifestantes que pedem a saída de Temer) que a utilizam como uma gíria pejorativa para se referir a alguém que reclama muito de algo.

Além disso, Temer também fez pouco caso dos protestos. De acordo com ele, a quantidade de manifestantes é inexpressiva. Ao ser perguntado se as manifestações o preocupavam, Temer questionou: "As 40 pessoas que quebram carro?". A frase marca uma virada no tom de Temer, que enquanto era apenas um presidente "interino" optou por dialogar de forma mais diplomática.

Publicidade

Agora definitivamente no poder, Temer optará por rebater as críticas com mais veemência.

O ministro das relações exteriores, José Serra, foi além. Disse que as manifestações que estão acontecendo em todo o país não são "de verdade". "Manifestação de verdade é a de Caracas, com 1 milhão de pessoas na rua", afirmou, para a fúria das pessoas que estão pedindo "Fora Temer".

Apesar do tom belicoso, Temer prometeu à imprensa entregar, ao fim de seu mandato daqui a pouco mais de dois anos, um país "reunificado e pacificado". #Protestos no Brasil