Preso há dois dias, Eduardo Cunha ainda é uma pedra nos sapatos de mais de cem deputados, que correm o risco de serem delatados por ele. O ex-presidente da Câmara já estava esperando que sua prisão acontecesse e com isso, começou a juntar materiais contra o #PT e o #PMDB, para usar em sua defesa.

A Folha de S. Paulo divulgou que os documentos reunidos por Cunha são uma espécie de “delação informal”. O dossiê de Cunha já era sabido por seus aliados, que o classificam como um homem “escrevia enlouquecidamente” sobre o assunto. Dentre os documentos, existem registros da contabilidade do PT e do PMDB.

No mês passado, Cunha havia dito para a imprensa que seu livro faria revelações históricas sobre o impeachment de Dilma, mas se recusou a adiantar algum detalhe a respeito do assunto.

Publicidade
Publicidade

A prisão e suas consequências

Quando ficou sabendo que seria preso, Cunha ia se dirigir até a Polícia Federal para depor, conforme intimação amplamente divulgada na mídia. Quando o político chegou na garagem, já havia policiais federais o aguardando para anunciar a prisão. Cunha disse que iria se entregar.

Após ser conduzido, seu advogado disse que ele não faria uma delação, conforme o próprio político disse antes de ser cassado, entretanto, pouco depois de ser preso, Eduardo contratou o advogado responsável pelas delações de executivos réus da Lava Jato e a expectativa é que ele faça uma delação, que deve envolver mais de cem parlamentares.

Ainda na quarta-feira, 19, foi divulgado que Cunha ficaria em uma cela isolada dos demais presos da Lava Jato, tanto para sua segurança, quanto para que não haja influência sobre uma eventual delação.

Publicidade

Eduardo cumpre prisão preventiva e seu advogado já busca uma forma de relaxar sua prisão com um habeas corpus.

Embora a prisão do peemedebista tenha sido comemorada pelo senador, Lindbergh Farias (PT), há quem diga que a delação de Cunha pode atingir, inclusive, Dilma Rousseff e Lula, correligionários de Lindbergh. A assessoria de Dilma ou de Lula não se pronunciaram sobre o assunto. #Eduardo Cunha