A política brasileira costuma, muitas vezes, dar voltas e inverter papéis. Após o trabalho desempenhado na defesa da ex-presidente da República, #Dilma Rousseff, seu principal defensor e advogado, irá trabalhar para um adversário político recém-eleito para um cargo extremamente expressivo politicamente e de grande peso na política brasileira: o comando da Prefeitura de São Paulo. É o papel de defesa dos interesses da capital paulista, que deverá ser desempenhado pelo procurador José Eduardo Cardozo. Ele reassumirá o cargo, após mais de 21 anos afastado da função. O novo cargo deverá se iniciar a partir do mês de janeiro de 2017, com a posse do prefeito eleito João Doria.

Publicidade
Publicidade

Defesa do município de São Paulo

O cargo de procurador atende às necessidades do município, a defesa dos interesses da população da cidade. Cardozo está afastado da função desde o ano de 1995, quando assumiu o cargo de vereador em São Paulo, através de seu primeiro mandato. Sua intenção, é conciliar o trabalho de advogado em um escritório privado, com o cargo de procurador da capital paulista. José Eduardo Cardozo, irá ainda continuar o seu trabalho de defesa, em relação ao processo de impeachment de sua cliente, a ex-presidente Dilma Rousseff. Independentemente da derrota do ex-prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, o ex-ministro do #Governo Dilma, José Eduardo Cardozo, possui a intenção de voltar à Procuradoria do município. Atualmente, Cardozo organiza seu tempo, entre palestras no Brasil e no exterior, e recursos em prol da defesa da ex-presidente Dilma Rousseff.

Publicidade

Recentemente, o ex-minsitro esteve, durante algumas semanas, na cidade espanhola de Salamanca, concluindo um doutorado e ministrando debates em uma universidade da cidade. Nesta semana, José Eduardo Cardozo pretende viajar à região Nordeste do Brasil, para falar a alunos de uma universidade sobre o processo de impeachment de Dilma, que culminou no seu afastamento definitivo do cargo de presidente da República. Cardozo foi um ferrenho defensor de Dilma, que condenada pelo cometimento de crime de responsabilidade, a partir de decisão do Congresso Nacional, supervisionado pelo Supremo Tribunal Federal. #JoãoDória