Os advogados responsáveis pela defesa de Eduardo Cunha entraram com um pedido no Supremo Tribunal Federal (STF) para tentar a liberdade do ex-deputado, detido desde a última quarta-feira, dia 19. O pedido foi homologado nesta sexta-feira, dia 21, e alega que o juiz federal Sérgio Moro, responsável pelas investigações da Operação #Lava Jato, ignorou uma decisão da corte de que Cunha não deveria ser preso, por já ter sido punido com o afastamento de seu cargo de Presidente da Câmara dos deputados.

A estratégia dos advogados é contestar o fato de que Cunha possa estar sendo julgado duas vezes pelo mesmo crime. Já os procuradores da Lava Jato afirmam que o peemedebista foi detido por ser considerado um risco para o prosseguimento das investigações.

Publicidade
Publicidade

O fato de Cunha possuir dupla cidadania (brasileira e italiana) também foi visto como um indicativo de uma possível fuga pelos procuradores responsáveis pela Operação Lava Jato.

Acusado de possuir verba referente à esquemas de #Corrupção na Suíça, Cunha perdeu seu direito ao foro privilegiado após ter seu mandato de deputado cassado. O ex-deputado está detido na carceragem da Polícia Federal em Curitiba, capital do Paraná, onde estão concentradas as forças de investigação da Lava Jato. #Eduardo Cunha