Candidato com maior número de votos para o cargo de vereador no município do Rio de Janeiro, Carlos #bolsonaro (PSC) provocou reações de desaprovação de internautas após postagem em sua conta no Twitter, na qual utilizou uma foto do candidato que foi o segundo colocado no pleito, Tarcísio Motta (PSOL), fantasiado durante o Carnaval, para tecer críticas à sua capacidade política e profissional:

"Vereador eleito do PSOL, professor de história do colégio Pedro II.. É isso q vc quer governando e educando sua cidade?"

Apesar de a postagem ter sido feita no Twitter, o conteúdo rapidamente repercutiu também em sua conta pessoal no Facebook, que foi alvo das mais variadas críticas.

Publicidade
Publicidade

Um dos internautas escreveu:

"Tarcísio Motta é doutor em História, professor de longa data do colégio Pedro II (...) Já você Carlos Bolsonaro, se elegeu aos 17 anos unicamente graças ao nome do seu pai, sem nunca ter trabalhado antes (...) E você realmente acha que tem moral para julgar um vereador pela fantasia que ele utilizou no Carnaval?"

Outros internautas também direcionaram criticas à postura do vereador, que, claramente incomodado, fez uma postagem na qual afirmou que estava recebendo "uma chuva de chorume de eleitores do PSOL, PCdoB e PT em suas publicações", passando a remover as críticas e bloquear todos os usuários que o questionassem. O próprio candidato eleito, Tarcísio Motta, em sua página pessoal do Facebook, também criticou Bolsonaro por sua atitude: 

"Revidando a pergunta: é uma pessoa que só consegue expressar ódio e não entende a alegria do carnaval que queremos governando nossa cidade? E a proposta de Flávio Bolsonaro de incentivar o turismo, onde fica? Ele iria incentivar o turismo acabando com o carnaval?"

Sucessão de baixaria

Desde o fim da apuração do primeiro turno do pleito à Prefeitura do Rio, no qual Flávio Bolsonaro (PSC) terminou na quarta posição e Marcelo Freixo (PSOL) ficou em segundo, garantindo assim a disputa com Marcelo Crivella (PRB) no segundo turno das eleições, os parlamentares da família Bolsonaro vêm atacando de diversas formas Freixo e o PSOL em geral.

Publicidade

Na segunda-feira (3), o deputado federal Jair Bolsonaro (PSC/RJ) postou em sua página no Facebook uma esquete humorística, na qual Marcelo Freixo participou, com a seguinte legenda: "Olha quem quer ser o Prefeito do Rio de Janeiro".

Já Eduardo Bolsonaro (PSC/SP) publicou em sua página, no dia 2 de outubro, atribuições falsas a Marcelo Freixo, insinuando que o político é "defensor de black blocs e prega sexualidade para criancinhas".

Páginas que apoiam Jair Bolsonaro também têm atacado incessantemente o candidato psolista. A página "Bolsonaro Opressor", além de incessantemente realizar diversas postagens ofensivas e caluniosas, publicou uma montagem do debate dos candidatos à prefeitura na Record, realizado no dia 25 de setembro, com intuito de enganar quem não viu o debate ao vivo, utilizando-se de táticas como a inserção de aplausos nas falas de Flávio Bolsonaro e a sobreposição de imagens de Marcelo Freixo, como se o mesmo estivesse incomodado, coisa que não ocorreu no debate ao vivo.

Publicidade

Até mesmo figuras públicas se juntaram à baixaria: como é o caso do líder religioso Silas Malafaia, aliado de Jair Bolsonaro, que chegou a publicar em sua página na rede social uma foto de Marcelo Freixo dando um selinho no deputado Jean Wyllys (PSOL/RJ) por três vezes em um único dia; ironicamente, o pastor recebeu milhares de comentários a favor de Freixo nestas postagens. #desonestidade #Eleições