A revista "Veja" preparou uma surpresa e tanto para seus leitores, pois, já na capa, estampa a foto de Marcelo Crivella preso e a frase: "A foto que Crivella esconde há 26 anos". Só que, essa semana, serão duas capas, sendo que a outra será exclusiva sobre a prisão do ex-presidente da Câmara, Eduardo Cunha.

A capa da "Veja" com Eduardo Cunha (PMDB) será a edição nacional, podendo ser encontrada por todo o território nacional e a com Marcelo Crivella (PRB) preso será uma edição somente para o Rio de Janeiro. A "Veja" segurou a matéria até a última hora e tomou todo o cuidado para que não houvesse vazamento, tentando garantir uma boa vendagem e, de fato, está todo mundo curioso para saber que história é essa, afinal ninguém tinha comentado antes sobre a prisão de Crivella e, nas redes sociais, já se tornou um dos principais assuntos.

Publicidade
Publicidade

A única informação que a "Veja" disponibilizou, para dar uma ideia do que tem no conteúdo da #Polêmica revista, é que a reportagem exclusiva de 5 páginas traz todos os detalhes a respeito da prisão do candidato e explica também o motivo pelo qual o inquérito, de 117 páginas, ficou desaparecido por quase 30 anos.

A "Veja" não estaria sendo a primeira a atacar o político, pois muitos outros meios de comunicação têm feito matérias mostrando porque os eleitores não devem votar em Crivella. Vídeos do candidato estão sendo divulgados nas redes sociais e postados no Youtube, mostrando Marcelo Crivella, quando bispo da Igreja Universal, detonando os homossexuais, criticando a igreja Católica e até mesmo as mulheres.

Nas fotos, Crivella aparece de frente e também de perfil e elas foram feitas na delegacia do Rio de Janeiro e registram uma parte do passado do político que ele pode até querer esquecer, mas que a "Veja" fez questão de trazer e mostrar a todos.

Publicidade

Nas últimas pesquisas para a prefeitura do Rio, ele é o favorito, mas, quanto mais se aproxima o dia das eleições, mais crescem os ataques.

A reportagem sobre Cunha praticamente será deixada de lado, diante da história bombástica sobre a prisão de Marcelo Crivella.

#Crise #Eleições 2016