Durante uma reunião do Conselho Nacional de Justiça, realizada nesta terça-feira (25), a atual presidente da maior corte do país, o #Supremo Tribunal Federal (STF), #Cármen Lúcia, abriu os trabalhos fazendo um discurso duro e que serviu diretamente ao atual presidente do Senado Federal, Renan Calheiros (PMDB-AL).

Mesmo sem citar o nome de #Renan Calheiros, a juíza exigiu que houvesse respeito aos outros poderes. Ela afirmou que é, de fato, inadmissível que um juiz, em pleno exercício de sua função, seja desmoralizado ou diminuído por qualquer pessoa e de qualquer outro poder.

As declarações de Cármem Lúcia, feitas na manhã de hoje, batem de frente com as feitas na noite de ontem pelo presidente do Senado, que chamou de “juizeco” o juiz da 10ª Vara Federal de Brasília (Vallisney de Souza Oliveira), responsável pela ordem de suspender as atividades dos quatros policiais legislativos, acusados de envolvimento no esquema de varredura de grampos telefônicos, que, supostamente, tinham como intenção atrapalhar o prosseguimento das investigações da Operação Lava Jato.

Publicidade
Publicidade

“Somente o STF tem o direito de autorizar uma operação da Polícia Federal no Senado, não um ‘juizeco’ de primeira instância”, afirmou Renan, durante entrevista coletiva no Senado.

Cármen Lúcia disse que quando um juiz é destratado, ela também é

A presidente do Supremo afirmou que todas as vezes que um juiz é agredido, cada um dos magistrados, inclusive ela, também é agredida. E que cada vez que houver um destrato e uma desmoralização a um juiz, há também com ela, pois acredita que "o Poder Judiciário deve se unir e se fortalecer, porque sempre que houver um Poder Judiciário forte no país, haverá a garantia de Justiça ao cidadão". “É de fato inadmissível que, fora dos autos, um juiz seja diminuído”, disse.

Ela também exigiu respeito e afirmou que "o respeito é essencial a todos os membros de todos os poderes, pois, dessa forma, existindo um respeito mútuo, existirá fundamento nos princípios constitucionais que garantem a aplicação da democracia no país.".

Publicidade