A ministra e presidente do Supremo Tribunal Federal (#STF), Cármen Lúcia, ficou inconformada com as palavras proferidas pelo presidente do Senado, #Renan Calheiros, ao chamar o juiz de primeira instância, Valisney Souza de Oliveira, de "Juizeco". Renan não gostou da atuação do juiz, que prendeu, na sexta-feira (21), quatro policiais legislativos, entre eles Pedro Carvalho, chefe da Polícia no Senado.

Cármen Lúcia comentou na sessão do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), que quando alguém agride um juiz, ela mesmo se sente agredida, e não aceita esse tipo de atitude de ninguém. "Eu exijo respeito ao Judiciário", disse a ministra.

Publicidade
Publicidade

Sem citar o nome de Renan, a presidente do STF disse que para se viver em democracia livre e harmônica temos que respeitar a Constituição e a legalidade.

Erros

Cármen ressaltou que todos podem ter seus erros, pois erros são humanos, mas não suporta humilhações ou desmoralização de um juiz. "Se um juiz é destratado, eu também sou". A ministra afirmou que o Poder Judiciário tenta cumprir todas as regras da melhor forma possível e compreende que os atos dos juízes serão sempre questionáveis, porém ela pondera que, todos os juízes brasileiros querem apenas cumprir as suas missões.

A ministra termina o discurso dizendo que todos os Poderes devem ser respeitados, e da mesma forma que ela respeita os órgãos da República, todos devem respeitar os juízes.

As palavras de Cármen Lúcia podem ser um recado para o Legislativo e uma grande indireta para o presidente do Senado Renan Calheiros, de que pode haver discordâncias de decisões, mas jamais criar guerra entre os Poderes.

Publicidade

Michel Temer

Os assessores do presidente Michel Temer também não gostaram dos ataques proferidos por Renan contra o ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, chamado pelo presidente do Senado de "chefete" de polícia. Como Temer ainda depende de Renan para aprovar o teto dos gastos públicos, ele tenta se manter distância desses problemas. Um assessor de Temer, disse que o presidente até liberou Renan de criticar o ministro da Justiça, pois segundo ele, o peemedebista ainda é uma "chave importante" para o governo aprovar seus projetos. #CármenLúcia