O candidato à prefeitura de Foz do Iguaçu, no Paraná, Paulo Mac Donald (PDT) foi o mais votado, mas não deve assumir o cargo. Com mais de 58 mil votos na eleição deste domingo, 02, ele está inelegível. Quem deve ganhar a prefeitura da cidade é Chico Brasileiro, que teve mais de 54 mil votos. Mac Donald já foi prefeito de Foz do Iguaçu por dois mandatos, permanecendo no posto entre os anos de 2005 e 2012. Ele, que é engenheiro, empresário e sociólogo foi condenado pela Justiça Eleitoral por supostas irregularidades quando foi prefeito. Por isso, a candidatura dele acabou indeferida pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE). A entidade usou, como base na punição, a 'Lei da Ficha Limpa'. 

O homem mais votado em Foz do Iguaçu já foi condenado por enriquecimento ilícito, dano ao erário e condenação por improbidade administrativa.

Publicidade
Publicidade

Ele apenas conseguiu prosseguir na candidatura por conta de um recurso que tramita no TSE, o Tribunal Superior Eleitoral. A partir dele, o engenheiro conseguiu prosseguir com a campanha, aguardando uma decisão para analisar se irá ou não conseguir ter posse no cargo de gestor da cidade. 

Além de talvez não pegar o cargo a que tanto sonha, ele está com os direitos políticos cassados por cinco anos, sendo condenado também a devolver mais de R$ 250 mil aos cofres públicos. Quem moveu a ação por irregularidades foi a própria promotoria de justiça de Foz do Iguaçu. Ela está baseada por conta de um contrato feito no ano de 2007 que não teria se atido ao fato da obrigatoriedade do sistema licitatório. Já o adversário de Chico Brasileiro era até o ano de 2008 aliado de Mac Donald, sendo até secretário municipal de saúde durante o governo dele.

Publicidade

Ele também chegou a ser vice-prefeito da cidade e alcançou o posto de deputado estadual no ano de 2014. 

O ex-prefeito de Foz do Iguaçu, Reni Pereira, acabou sendo preso neste ano por conta da Operação Pecúlio. Ela apura desvios do dinheiro de programas sociais do governo federal, como o PAC, no município. Reni é apontado como o chefe de uma quadrilha na região.  #Eleições