A jornalista e mulher do ex-presidente da Câmara dos Deputados, #Eduardo Cunha (PMDB-RJ), Claudia Cruz, foi visitar o marido na penitenciária federal de Curitiba, onde, desde a última sexta-feira (21), seu marido encontra-se preso por realizar desvios de recursos públicos. A prisão ocorreu, a pedido de Sérgio Moro, juiz federal, responsável pelo comando da Operação Lava Jato.

Apresentando um semblante fechado e distante, Cláudia simplesmente ignorou os repórteres que a seguiram na saída da penitenciária até um automóvel preto que a aguardava bem em frente ao prédio. Ela estava acompanhada de um advogado, segundo informação divulgada pelo site G1.

Publicidade
Publicidade

A saída de Cláudia da penitenciária foi registrada em vídeo e divulgada amplamente na mídia.

Assista ao vídeo do momento da saída da mulher de Eduardo Cunha.

Visita de mulher de Cunha foi uma “cortesia” da Polícia Federal

A repentina e breve visita da mulher de Eduardo Cunha foi uma espécie de “cortesia” por parte dos administradores da penitenciária federal de Curitiba. Cortesia devido ao fato de que os presos somente podem receber visitas na penitenciária uma vez na semana e nas quartas-feiras. A visita de Cláudia foi liberada na quinta-feira pela administração da penitenciária.

Interlocutores da Polícia Federal justificaram a “cortesia” porque essa mesma liberação já ocorreu com outros presos na Operação Lava Jato.

Claudia também terá a mesma “dor de cabeça” de seu marido, já que ela também é ré no processo de corrupção e desvios de verbas públicas.

Publicidade

Segundo a #Polícia Federal, Claudia tinha plena consciência dos delitos que praticava e, mesmo assim, continuava a usufruir no exterior com a compra de artigos de luxo. Inclusive, ela era a controladora de uma conta “offshore” na Suíça.

Cunha está isolado em uma cela

Os primeiros dias da nova rotina de Eduardo Cunha, certamente, serão de solidão, pois ele foi acomodado numa cela isolada dos outros detentos. Apesar da penitenciária ser o abrigo de muitos outros condenados na Operação Lava Jato como: Alberto Yousseff, Marcelo Odebrecht e o ex-ministro da economia, Antônio Palocci, entre outros.

Além do isolamento, Cunha terá que se adaptar a uma rotina diferenciada dos demais, pois o banho de sol será liberado em horários diferentes dos outros presos, principalmente dos condenados na Lava Jato. #Cláudia Cruz