O projeto de lei que permite a exploração de petróleo na camada do pré-sal por parte de empresas estrangeiras foi aprovado na Câmara dos Deputados na última quarta-feira, 05/10. Assim, a Petrobrás não tem mais a obrigação de participar em todas as fases da operação. Agora, segundo o que foi votado na Câmara, as multinacionais terão mais liberdade para explorar o “ouro negro” dos campos marítimos, sem a supervisão da estatal brasileira.

Entretanto, a medida não foi totalmente apreciada porque restam alguns detalhes a serem debatidos e, depois das análises pendentes, o projeto será encaminhado para sanção ou veto do Poder Executivo.

Publicidade
Publicidade

Esses trâmites devem ser concluídos ainda nesse mês de outubro.

Apresentado pelo atual Ministro de Relações Exteriores, José Serra, o projeto propõe a extinção da regra que obrigava a #Petrobras a ter, pelo menos, 30% dos direitos e participações nas operações do pré-sal. Traduzindo melhor: ela não pode mais reivindicar o percentual citado para pesquisar novas áreas, perfurar poços e produzir em águas mais profundas. Significa que, se antes toda e qualquer operação estrangeira tinha que ter algum acompanhamento ou compartilhamento com a Petrobrás, isso está riscado do mapa.

As empresas petroleiras já avisaram que, a partir da aprovação do projeto, tendem a colocar mais investimentos no próximo ano, quando houver novos leilões de áreas do pré-sal. O prognóstico é que esse investimento passe de 20 para 50 bilhões de dólares ao ano.

Publicidade

Tome-se, como exemplo, a produção registrada em agosto passado, que foi de aproximadamente 2,6 milhões de barris por dia – número puxado pela entrada da exploração das camadas do pré-sal.

De acordo com o presidente da Petrobrás, Pedro Parente, o que se quer a curto prazo (leia-se, o ano de 2018) é a redução das dívidas da empresa, passando por aquela “receitinha de bolo” chamado corte de despesas. Adicione-se também a venda de ativos que a empresa detém, o que pode gerar mais 15 bilhões de dólares a entrar nos cofres. O custo médio de produção no pré-sal, aqui no Brasil, é de 7 dólares por barril. Em outras regiões do mundo, esse custo médio atinge o dobro.

O Palácio do Planalto não deve colocar nenhum obstáculo a esse assunto, já que o Presidente Michel Temer sinalizou que é favorável à abertura da exploração do pré-sal ao capital estrangeiro. Aliás, Temer tem a expectativa de que, com esse tipo de atratividade girando em torno da singularidade na tecnologia nacional desenvolvida e na exploração petrolífera em águas profundas (até 7 quilômetros), as contas públicas possam sair dos patamares negativos e aparecerem nos gráficos com uma reta ascendente, equilibrando as finanças do Brasil.

Publicidade

Votação Tensa

O clima no plenário da Câmara foi marcado por tensões, troca de ofensas entre os deputados a favor e contra, xingamentos e tentativas de adiar a votação do projeto em questão. Manifestantes presentes na galeria e contra o projeto acusaram os parlamentares de “entreguistas” e “golpistas”, ao passo que alguns governistas devolveram entoando a palavra “ladrões”. A base do #Governo ganhou com uma diferença aproximada de 190 votos. Todos os partidos de oposição votaram contra. #Economia