O deputado #Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que se encontra atualmente com o mandato cassado, agora está na mira do juiz federal Sérgio Moro. Com a perda da proteção do foro privilegiado, Cunha está sob competência de juizado de primeiro grau.

O Supremo Tribunal Federal (STF) autorizou uma ação que consequentemente mandará de forma definitiva Cunha para as mãos de Moro, no Paraná. O juiz federal é responsável pelas operações da #Lava Jato.

O deputado Cunha é acusado de ter recebido propina em Bênin, África, em um contrato de extração de Petróleo. Ele também é investigado por ter possíveis contas na Suíça que seriam usadas para lavagem de dinheiro.

Publicidade
Publicidade

Além de Cunha, sua mulher Cláudia Cruz é acusada em ação penal sobre os mesmos temas. É a primeira vez que Sérgio Moro terá a oportunidade de julgar Eduardo Cunha. 

A propina que Cunha teria recebido no contato navio-sonda da Petrobras é milionária, atingindo o valor de US$ 5 milhões.

O ministro Teori Zavascki, que é relator da Lava Jato no STF, mandou há três semanas atrás o processo para Moro, porém condicionou que as acusações fossem remessadas para a publicação do julgamento. Em consequência disso, Moro demorou a ter em mãos o processo de Cunha. 

Cláudia Cruz

Segundo informações de procuradores do Ministério Público Federal (MPF), a jornalista Cláudia Cruz é acusada de usar dinheiro de contas da Suíça para comprar itens pessoais de luxo como jóias, sapatos e bolsas. Ela teria realizado as compras utilizando cartões de crédito.

Publicidade

Na operação Lava Jato, ela é ré e sua defesa protocolou 11 perguntas que políticos deverão responder, tendo como objetivo de saber qual a relação que eles (políticos) têm com Cunha, se possuem algum tipo de relação com o casal e se já viajaram juntos.

Os seguintes parlamentares serão questionados pelo MPF: Felipe Maia (DEM-RN), Gilberto Nascimento (PSC-SP), Bruno Araújo (PSDB), Átila Lins (PSD-AM), Carlos Marun (PMDB-MS), Jovair Arantes (PTB-GO), o ministro dos Transportes Maurício Quintella e Hugo Motta (PMDB-PB). #SérgioMoro