Na véspera da eleição para prefeito do Rio de Janeiro, que acontece neste domingo, 02, o senador e bispo da Igreja Universal do Reino de Deus, Marcelo Crivella, está envolvido em duas polêmicas. Uma delas gira em torno da própria igreja a que faz parte. A outra ao fato de sua campanha na televisão ter manipulado uma foto conhecida da mídia. De acordo com o jornalista Ancelmo Góes, do 'Jornal O Globo', na quinta-feira, 29, durante o debate com os candidatos a prefeito exibido pela TV Globo, Marcelo chegou e já foi abraçado por membros da Universal. Ele respondeu tamanho carinho com um largo sorriso. 

Por conta do espaço para ser dado aos membros da igreja, o vice de Crivella, Fernando Macdowell, acabou sendo o único (dos vices) a ficar de fora da discussão sobre assuntos relevantes à cidade do Rio de Janeiro.

Publicidade
Publicidade

E olha que o número de pessoas que cada político poderia convidar era grande. Ao todo, cada um teve direito a quinze lugares. Foram oito políticos que debateram nos estúdios do jornalismo da TV Globo, o que já dá 120 convidados. A emissora também costuma convidar personalidades e jornalistas para acompanhar tudo de perto. 

De acordo com o jornal O Globo, o vice de Crivella, que não é da Universal, acabou tendo que ceder seu espaço para os partidários religiosos de Edir Macedo. 

A outra polêmica envolve uma campanha exibida na televisão, na qual o candidato Pedro Paulo, do PMDB, aparece rodeado de membros do PMDB. A foto que está indo ao ar na campanha de Crivella é adulterada. No meio dela, na imagem original, estava o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Crivella foi ministro na era petista e não está querendo atacar Lula e a ex-presidente Dilma Rousseff nesse momento.

Publicidade

Para ele, é mais jogo ir para o segundo turno com qualquer outro candidato, menos Pedro Paulo. Por ter apoio do atual prefeito, mais tempo na TV para os dois pode complicar o bispo, que perdeu todas as eleições majoritárias que já participou. 

A imagem original da discórdia foi feita em fevereiro de 2015. A adulteração da foto foi revelada pelo jornalista Fernando Molica em sua página no Facebook. #Eleições 2016