O Rio de Janeiro possui um representante do PRB e outro do PSOL na disputa pela prefeitura. De um lado, Marcelo Crivella, conhecido por não apoiar alguém que faz algo errado na política, mas por ser justo. Fato que gerou críticas da adversária, Jandira Feghali, devido o político ter votado pelo impeachment de Dilma Rousseff. Do outro lado, Marcelo Freixo, candidato polêmico que chegou a apoiar as invasões aos prédios do ministério da cultura, em protesto contra o presidente Michel Temer.

O segundo turno da eleição acontecerá no próximo dia 30 de outubro. Os candidatos possuem quase um mês para intensificarem suas campanhas e mostrarem para a população porque eles merecem ser eleitos e governarem o Rio pelos próximos quatro anos.

Publicidade
Publicidade

A campanha para o segundo turno inclui as panfletagens, propaganda eleitoral gratuita em rádio e TV e eventos populares, como as reuniões na casa de eleitores. As mesmas regras vigentes no primeiro turno permanecem no segundo quanto ao limite de gastos, o tamanho da publicidade visual do candidato e da forma de arrecadação para bancar a campanha.

O candidato que for eleito no Rio terá um duro trabalho pela frente, uma vez que não só a cidade, mas todo o estado está falido. A prefeitura está com dificuldades para quitar dívidas, inclusive com o pagamento de servidores públicos. Além disso, a violência tem tomado conta da cidade, de forma que os traficantes não respeitam a polícia e tem realizado atos criminosos em toda a cidade, mesmo em plena luz do dia. Já a saúde, vive em verdadeiro caos, que piorou nos últimos anos.

Publicidade

Muitos cariocas precisam chegar de madrugada nos postos de saúde para conseguir uma vaga com um especialista e muitas vezes, não conseguem.

Outro ponto negativo que marcou o Rio nesse ano é que a prefeitura deixou de investir em educação para se focar nas obras das Olimpíadas, ocasião em que uma professora chegou a gravar um vídeo contando o drama de estar há cinco meses sem dar aulas e sem pagamento. Daqui para frente, mais do que conquistar o eleitorado, os candidatos precisam ter pulso firme, pois o vencedor, terá quatro anos para tentar transformar a cidade dos esquecidos na antiga e conhecida, cidade maravilhosa. #Apuração #Eleições #Eleições 2016