Neste domingo, 2, aconteceram as eleições para prefeito e vereadores em todo o país. Um dos vitoriosos no pleito foi o candidato 'Beto da Saúde', que se sagrou vereador na cidade de Ibatiba, no interior do Espírito Santo (ES). Ele teve exatos 999 votos e lutava pelo pleito através do PSD. Uma curiosidade, no entanto, marcou a vitória de Beto. Mesmo sendo o campeão local nas urnas, ele estava preso quando as eleições aconteceram. Mesmo estando na cadeia, ele não foi enquadrado na 'Lei da Ficha Limpa' porque ainda não foi condenado pela justiça. Dessa forma, mesmo sendo um presidiário, ele pode até o dia primeiro de janeiro do ao que vem assumir o cargo de vereador. 

Beto da Saúde, como usou nas urnas eletrônica, está preso desde o dia seis de setembro.

Publicidade
Publicidade

Durante praticamente toda a campanha, ele não teve tempo de pedir votos a seus eleitores, pois estava no presídio. O candidato eleito foi acusado pelo Ministério Público por diversos crimes, como peculato, compra de votos, associação criminosa e corrupção. A lista realmente não é pequena. O Ministério Público decidiu acusar o possível novo vereador depois de uma grave investigação, na qual o final dela foi a prisão de Beto. Durante uma apuração, ficou descoberto que a Secretaria de Saúde municipal estava tomada por uma quadrilha, que acabou sendo desmontada. 

O candidato que se elegeu no Espírito Santo é acusado de ser o chefe de todo o esquema criminosos, que se beneficiava de forma ilícita de todos os envolvidos. Ao que se descobriu, os envolvidos trocavam votos por agendamentos de exames e consultas, um serviço que é direito de todos os cidadão brasileiros através do Sistema Único de Saúde (SUS), cujos pilares mesclam a universalização dos serviços.

Publicidade

Para ganhar votos, Beto se mostrava alguém solicito e facilitava e agilizava esse tipo de agendamento. 

O Ministério Público salientou na apuração que “foi constatada a utilização da máquina pública de forma sistemática para que Beto da Saúde e os demais denunciados obtivessem vantagens ilícitas. #Eleições 2016