Na noite deste domingo (09), o presidente #Michel Temer convidou vários políticos para um jantar no Palácio do Planalto. A ideia era conversar com os parlamentares e explicar todos os benefícios que a PEC do teto dos gastos públicos poderia ajudar o Brasil.

O deputado #Tiririca foi um dos convidados, mas recusou o convite. Ele afirmou que prefere não ter que votar em nada porque comeu comida de graça em tal lugar. "Não quero que mandem em meu voto", disse o deputado.

Tiririca, mesmo não participando do jantar, optou por votar a favor do presidente Michel Temer e disse que a PEC é "legal". De acordo com o deputado, não haverá cortes em nenhum setor, mas disse que é muito difícil dizer por quê.

Publicidade
Publicidade

"Não vai ter corte em nada, não sei explicar o por quê, mas digo que é legal", disse Tiririca.

PEC 241

 A PEC 241 é uma proposta de emenda constitucional que cria um teto para os gastos públicos. O objetivo do #Governo federal é congelar os gastos por até 20 anos para que o Brasil possa sair do "vermelho". Essa medida é uma saída para conter o rombo das contas públicas e superar a crise econômica.

Se a PEC entrar em vigor em 2017, o orçamento disponível para gastos será o mesmo de 2016. Isso serve para os três Poderes: Executivo, Legislativo e Judiciário. Os limites de gastos para a saúde e educação começarão a valer a partir de 2018, de acordo com a proposta atual.

Segundo o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, o país não pode prosseguir gastando mais do que a sociedade pode pagar.

Publicidade

Essa proposta constitucional é a única maneira de recuperar a confiança no mercado e gerar, com isso, mais emprego.

O jantar

O jantar realizado, no domingo (09), pelo presidente, reuniu 420 presentes, entre parlamentares, ministros e esposas, deputados, senadores e assessores. Foram oferecidos três opções de pratos: carne ao molho madeira, salmão grelhado com legumes e massa com tomate seco. A sobremesa era pudim de tapioca. Foi servido também dois tipos de vinho, um nacional e um argentino.

Esse jantar foi bem pensando por Temer para conseguir o apoio dos parlamentares indecisos.