O senador cassado #Delcídio do Amaral (sem partido-MS) prestou depoimento ao  Tribunal Superior Eleitoral (TSE) na última terça-feira (11) e na ocasião ele confirmou, com certeza, que dinheiro de propina abasteceu a campanha da chapa #Dilma Rousseff/Michel Temer, à presidência da República, em 2014, quando foram vitoriosos.

O dinheiro para a campanha foi desviado da construção da usina hidrelétrica de Belo Monte, de acordo com apuração do jornal Estado de São Paulo, informação apurada junto a fontes com informações sobre a investigação.

O depoimento de Delcídio corrobora o que disse o executivo Otávio Azevedo, de que propina foi paga para a campanha de 2014, disfarçada de doação.

Publicidade
Publicidade

Azevedo é ex-presidente da Andrade Gutierrez.

Delcídio também disse achar pouco provável que a ex-presidente não soubesse do esquema. Ele disse ainda que a maior parte do que foi desviado da Belo Monte foi para o PMDB.

PSDB move ação contra a chapa Dilma/Temer

Tramita no TSE um processo contra a chapa vitoriosa da campanha de 2014, Dilma/Temer - ação proposta pelo partido tucano, que quer que se apure se houve abuso de poder político e econômico na referida eleição.

Dependendo do resultado da ação, a ex-presidente Dilma Rousseff pode ficar inelegível,  apesar do Senado ter mantido a sua aptidão para concorrer às eleições. Michel Temer, por sua vez, pode até ter o mandato cassado, por isso, seus advogados defende na Corte Eleitoral que a sua conduta e a da ex-presidente sejam analisadas separadamente.

Publicidade

Na semana passada, a defesa de Dilma havia pedido que  fosse realizada perícia complementar nas empresas contratadas pela campanha, pedido que foi negado pelo ministro do TSE e relator das ações, Herman Benjamin. O ministro declarou que  a solicitação foi "manifestamente protelatória". 

Um laudo pericial do TSE informa que a empresa de comunicação Focal Comunicação Visual teria recebido, de forma irregular durante a campanha da petista, R$ 3,2 milhões, que podem ter sido usados para desvios de recursos eleitorais. #Lava Jato