Preso preventivamente após autorização do juiz federal Sérgio Moro, o ex-deputado #Eduardo Cunha (PMDB-RJ) deve ficar afastado de outros presos da Operação #Lava Jato na prisão até decidir se aceita, ou não, fazer um acordo de delação premiada.

Com tempo de prisão indeterminado, o ex-presidente da #Câmara dos Deputados deverá ser ouvido pela Polícia Federal em breve. Caso opte por não fechar o acordo, o destino de Eduardo Cunha deverá ser o Complexo Médico Penal de Pinhais, na região metropolitana de Curitiba.

Preso na Capital Federal, o ex-presidente da Câmara foi conduzido em um jato para a capital do Paraná. Após passar a noite na carceragem da superintendência da Polícia Federal, Eduardo Cunha será examinado no Instituto Médico Legal (IML) paranaense nesta quinta-feira (20).

Publicidade
Publicidade

Segundo o despacho do juiz Sérgio Moro, a prisão preventiva do ex-parlamentar seria necessária pelo risco de interferência nas investigações em andamento. Além disso, de acordo com pedido de prisão feito pelo Ministério Público Federal, enquanto não for possível identificar com precisão a quantia e a localização dos valores à disposição do ex-deputado, haverá risco de que não se possa recuperar os recursos e que o réu fuja do país, utilizando-se também da dupla cidadania italiana.