O avião em que estava #Eduardo Cunha, em Curitiba, parou diretamente na Polícia Federal, na qual ficará por tempo genérico.  O juiz responsável pelo caso, Sérgio Moro, afirmou que contas que o ex-deputado possuía secretamente na Suíça foram um dos motivos de sua prisão ser decretada.

A investigação afirmou ter conseguido comprovar que Cunha era um dos envolvidos nas operações que envolviam corrupção e determinados sistemas específicos, como a Lava Jato. A questão se encontra justamente no que Eduardo Cunha tinha declarado possuir e no que realmente tem, muito mais.

 Não foi só um motivo que fez com que Cunha fosse preso, mas entre todos eles, se encontram principalmente as atitudes do ex-deputado que prejudicaram a investigação da Operação Lava Jato.

Publicidade
Publicidade

Ele chegou a contratar determinadas pessoas para que afirmassem que ele não teve envolvimento com o movimento, além de estabelecer alguns critérios de leis em que afirmava que ninguém poderia alterar seus próprios depoimentos, acreditando assim, que não o envolveriam nas investigações da Operação.

Cunha demitiu funcionários que tinham provas que ele estava envolvido no escândalo político e foi comprovado que recebia propinas de diversas empresas pelos serviços que prestavam. Além de tudo, ele e a mulher foram acusados de simular um empréstimo envolvendo uma igreja evangélica e da criação de algumas contas recheadas no exterior, com Eduardo Cunha como beneficiado.

O ex-deputado chegou a usar o dinheiro conseguido com a corrupção para tanta coisa, que até o casamento de sua filha foi bancado com este.

Publicidade

Além de sua prisão, oito carros, seus e de seus familiares, foram apreendidos. As marcas variam entre Porsche, Land Rover, Hyundai, Volkswagen e Ford, alguns inclusive, seminovos. Sua casa passou por varredura e pela famosa ação denominada pente-fino.

Além disso, todos os seus bens, que são algumas vezes mais caros do que ele afirmou para a Receita Federal, estão confiscados, inclusive seus imóveis e ações.  Porém, os seus defensores afirmam que não há fundamentos provados que representem ornamento errôneo por parte do deputado em consequência do treino da determinação, nem sequer indícios de qualquer tipo de ligação com a Petrobrás ou questões de que a origem dos princípios retidos seja ilícita.

 Cunha traz a mesma ideia passada pelos seus advogados e, em depoimento, diz ter achado sem necessidade a sua detenção e afirma que sairá rapidamente de lá devido à falta de provas contra a sua pessoa. É importante frisar que, não só ele foi acusado, mas também está sendo investigado seu empresário, sua mulher e mais algumas pessoas que trabalham diretamente para ele. #lava jat #Sergio Moro