O grupo de #direita "Juntos pelo Brasil" marcou um ato de apoio ao presidenciável estadunidense Donald #Trump (do Partido Republicano), no dia 29 de outubro, na Av. Paulista. Com a justificativa de combater, segundo a palavra dos organizadores, a "Dilma americana" (Hillary Clinton, candidata do Partido Democrata), há a recomendação de os participantes irem com trajes nas cores azul, branco e vermelho. Contudo, ao contrário de apoios, o evento está sendo amplamente criticado nas redes sociais e tem virado motivo de piada. Inclusive, no evento marcado no Facebook, a sessão de discussão está bloqueada, impedindo que novas críticas sejam registradas contra o ato.

Publicidade
Publicidade

Uma usuária do Twitter falou sobre o evento: "Ato em favor de Donald Trump dia 29 na Paulista. Brasileiros, eles gostam de passar uma vergonha, né?". Já no Facebook, a página Baderna Notícias compartilhou uma imagem do evento com a seguinte descrição: "Como é mesmo aquela máxima: Se por tenda vira circo, se cercar vira hospício".

Apesar da iniciativa dos conservadores paulistas, a campanha de Donald Trump está passando por seu pior momento, desde o início da corrida presidencial nos #EUA. Nos últimos dias, um vídeo no qual Donald Trump aparece fazendo comentários extremamente depreciativos sobre as mulheres vazou, gerando forte polêmica nos Estados Unidos. Nesta semana, também foram levantadas acusações de assédio sexual contra o político e empresário. Tais polêmicas, somadas aos escândalos envolvendo a postura xenofóbica e agressiva do republicano, vêm minando sua candidatura.

Publicidade

Até mesmo no próprio Partido Republicano, Donald Trump vem sofrendo oposição. Os ex-presidentes George Bush e George W. Bush recentemente declararam que não votarão em Trump. Informações de que ex-apoiadores da campanha do conservador estariam exigindo a devolução de suas doações à campanha de Trump também resultaram em mais problemas ao candidato, que nos dois debates presidenciais realizados até então teve desempenho inferior ao de Hillary, segundo a imprensa e eleitores estadunidenses.