Anivaldo Luiz da Silva, mais conhecido por seu passado fazendo filmes adultos e recentemente como vocalista da banda de “rock bréga’, Cheiro de Calcinha, conquistou 6% do eleitorado de Maceió e chegou a marca de 25 mil votos.

O político usa o nome de ‘Lobo’ e essa foi a quarta vez que se candidatou para um cargo político. Em 2010, deixou de lado a carreira de ator de filmes adultos para tentar ser deputado estadual, mas não obteve sucesso no pleito. Desde então, investiu em uma banda. Em 2010 tentou ser vereador, mas não conseguiu e em 2014, obteve 14 mil votos para deputado, mas não foi o suficiente para ser eleito.

Lobo participou de mais de cem filmes adultos, mas quer deixar essa fase de sua vida para trás.

Publicidade
Publicidade

O cantor e agora vereador, quer se dedicar aos projetos políticos que tentará aprovação a partir do próximo ano, sendo alguns deles: instalação de ar condicionado nas escolas e criação de banheiros públicos no centro de Maceió.

O político usava o nome artístico de Lobão, mas foi impedido de continuar usando a alcunha pelo próprio músico e senador, Lobão. Agora com o nome de Lobo, o recém eleito já fala em inovar e avançar na cidade, conferindo entrevistas e dizendo que Maceió precisa mudar e acabar com a corrupção. Ainda com pouco jeito para falar sobre política, Lobo ou Anivaldo, tentará não decepcionar o seu eleitorado.

O número de 25 mil votos foi tão surpreendente para o seu partido e para os munícipes que chegou a ser superior aos votos recebidos pela conterrânea, Heloísa Helena, que já foi vereadora e senadora.

Publicidade

Com a vitória, Lobo conseguiu ‘puxar’ uma vereadora do PP para uma cadeira da Câmara, por conta da coligação.

Se por um lado a vitória de Lobo já era esperada em sua cidade, por outro as pessoas de outras partes do Brasil que tiveram conhecimento do fato, receberam a notícia com estranheza. Logo que soube do resultado da votação, o político comemorou e foi abordado por eleitores, que o parabenizaram pela vitória. A posse de Lobo acontecerá no dia 1 de janeiro. #Eleições #Eleições 2016