Como muitos brasileiros, autoridades também querem que a #Lava Jato se torne uma instituição brasileira. Segundo informações divulgadas no jornal online Diário do Poder, o ex-diretor da Interpol (Organização Internacional de Polícia Criminal) do Brasil, e delegado aposentado da Polícia Federal brasileira, Jorge Barbosa Pontes, acredita que no Brasil a #Corrupção deixou de ser um crime organizado e passou a ser um crime institucionalizado.

Em entrevista ao Diário do Poder, Pontes disse também que se hoje ocupasse o cargo de diretor-geral da Polícia Federal, transformaria a Lava Jato em uma divisão da instituição, para que assim não tivesse “prazo para acabar”, e que as investigações acerca da corrupção que assola o Brasil fossem constantes.

Publicidade
Publicidade

Dessa forma, de hoje em diante não haveria mais “margem de erro” para a prática de esquemas de corrupção como os que foram descobertos na Operação.

Pontes também acredita que a Lava Jato veio para trazer ao povo brasileiro uma nova perspectiva sobre os fatos, um novo olhar sobre a política, “Esta operação está inspirando os brasileiros”, disse. “Os políticos deveriam administrar o dinheiro público e não roubá-lo, com a Lava Jato a sociedade está ficando mais atenta ao que vem acontecendo nos bastidores da gestão política brasileira”, explicou Pontes ao Diário do Poder, em entrevista publicada dia 19 de outubro. Ponte ainda falou sobre as reações do Executivo: “o que é mais estranho é que o poder executivo tentou ir contra o juiz Sérgio Moro”, finalizou.

O papel da Polícia Federal

O ex-diretor da Interpol no Brasil ainda explicou que para operações como a comandada por Moro tenham mais efeito, é importante que a Polícia Federal tenha mais autonomia: “o projeto de dar mais liberdade à Polícia Federal Brasileira é um processo essencial, pois só assim blindamos a PF de interferências externas que possam vir a barrar as investigações da mesma.” Pontes falava sobre em relação ao ex-governo petista que é alvo nas investigações da Lava Jato e que, conforme foi mostrado, tentou barrar as investigações de Moro em várias episódios, tentando minimizar as descobertas do juíz e da PF.

Publicidade

Relembrando

A Operação Lava Jato foi deflagrada no dia 17 de março de 2014, e desde então já descobriu esquemas bilionários de corrupção, desvios de verbas e propinas envolvendo estatais e políticos brasileiros. O comandante dessa operação é o juiz paranaense, Sérgio Moro. #Sergio Moro