Passos Coelho, ex-primeiro-ministro português, não ficou fã de #Dilma Rousseff, sobretudo, depois dos encontros que teve com a ex-presidente da República. Tal como informa o site "O Globo”, Passos Coelho, em um livro recentemente publicado, insultou e detonou Dilma, garantindo que ela é “arrogante, presunçosa, desagradável e que beira a má educação”.

Além de não ter gostado das exigências de Dilma em 2013, no dia de Portugal, o ex-primeiro-ministro também revelou um episódio em que a petista falou em espanhol para Cavaco Silva, o antigo Presidente da República português.

Com uma forte ligação histórica, e até de linguagem, os governos de Portugal e Brasil sempre fizeram de tudo para continuar com boas ligações entre si, contudo, ao contrário do que se esperava, as últimas presenças de Dilma Rousseff em Portugal foram tudo menos simpáticas e tranquilas.

Publicidade
Publicidade

Em um livro do escritor português Saraiva, relacionado com a #Política portuguesa, Passos Coelho, de forma surpreendente, fez questão de relembrar os episódios insólitos e humilhantes que teve com Dilma Rousseff. Como informa o site da “Globo”, o político português, a 10 de junho de 2013, não gostou das exigências que a petista fez aos seus representantes, exigindo que fosse transportada de helicóptero, um meio de transporte que é raramente utilizado para transportar representantes políticos em Portugal.

Contudo, o incidente que provocou os insultos de Passos Coelho teria sido com Dilma e Cavaco Silva, onde a petista, de prepósito ou não, falou em espanhol para o Presidente Português, que na altura ficou sem saber como reagir ao momento humilhante.

No final dos seus insultos a Dilma Rousseff, Passos Coelho ficou na dúvida se a petista saberia ao certo quem era o presidente da República português, ficando completamente parvo com o que estava presenciando com seus próprios olhos.

Publicidade

Atualmente, com Michel Temer no poder, ainda não se sabe quando os Governos dos dois países voltarão a se reunir, tendo apenas uma certeza de que os três protagonistas desse momento insólito não vão estar presentes, visto que Passos Coelho e Cavaco Silva deixaram o poder nos últimos doze meses em Portugal. #Governo