Edilamar Quintão (PTN) teve um momento de grande surpresa ao votar neste domingo (02). A candidata a vereadora da cidade de Guajará-Mirim, em Rondônia, divulgou em sua campanha o número 19159, mas por falta de atenção, o número correto dela é 19789. Todos os panfletos e santinhos da candidata foram impressos com o número errado e ninguém percebeu esse detalhe. 

Ao digitar o número na urna, Quintão percebeu que era inexistente e ficou preocupada, depois descobriu que o seu número era outro. Visivelmente abalada, a candidata só teve três votos nessa eleição e culpou este fato pela sua derrota. A cidade possui 47 mil habitantes e o vereador mais bem votado teve 951 votos e o menos votado, e ainda assim eleito, teve 361 votos.

Publicidade
Publicidade

Repercussão

Esse deslize da candidata teve repercussão nacional e foi motivo de piada em sua cidade. Essa é a primeira vez que Edilamar participa das eleições e toda a sua campanha foi feita com recursos próprios da candidata. Sua família e amigos preferem não comentar o caso e pretendem acionar um advogado.

Em uma entrevista no domingo, a candidata se mostrou muito abalada e prejudicada. "Estou passando por uma situação muito difícil", disse Quintão.

Erro grave

O Juiz Paulo José do Nascimento Fabrício, responsável pela 1° zona eleitoral de Rondônia, afirmou que o erro foi da candidata e que a justiça eleitoral não tem nenhuma culpa disso. De acordo com o juiz, o candidato escolhe o número, apresenta os dados no cartório eleitoral e assina os documentos. Fabrício acredita que o erro foi na hora confeccionar os santinhos.

Publicidade

"O número veio errado e ninguém percebeu", disse Fabrício.

O juiz ressaltou que trabalha há 30 anos neste ramo eleitoral e nunca presenciou um fato desse. "Se um candidato erra ao não fiscalizar o seu próprio número, imagina fiscalizar os números da prefeitura", criticou.

A #Justiça eleitoral recebe o número de acordo com a escolha do candidato e se Edilamar não teve atenção em conferir os dados, infelizmente ninguém pode fazer nada. Foi um erro dela e de sua equipe, mas principalmente dela. #Eleições 2016