A Era Temer tem sido vista com insegurança por uns, com otimismo por outros e como o fim das facilidades para alguns grupos. Recentemente surgiu um boato de que o #Governo federal cortaria as verbas destinadas aos sites e blogs políticos. Algumas plataformas online recebiam para falar bem do antigo governo, entretanto, com a queda de Dilma, eles continuaram seu propósito, mas falando mal de Temer.

O jornalista Reinaldo Azevedo, da revista Veja e da Rádio Jovem Pan, confirmou essa informação e revelou o nome dos sites e blogs que voltam a ser independentes, sem ajuda governamental para se manter, dentre eles, está o Conversa Afiada, do jornalista Paulo Henrique Amorim, que ganhou destaque durante as manifestações contra Dilma, entretanto, ele estava na posição de defesa do governo destituído em agosto.

Publicidade
Publicidade

Na época, embora não exista nenhuma confirmação oficial, correu o boato de que a TV Record teria solicitado que Paulo fosse imparcial nas suas opiniões para evitar polêmicas entre os governos de Dilma e Temer, sobretudo durante a apresentação do Domingo Espetacular, que é transmitido, ao vivo, de São Paulo.

Outros sites e blogs que também deixam de receber recursos públicos e que foram divulgados pelo jornalista são Brasil 247, O Cafezinho, Portal Fórum, Blog do Luís Nassif (Site Jornal GGN), Diário do Centro Mundo, Carta Maior, Brasil Econômico, Opera Mundi, Viomundo e Sidney Rezende. A informação também foi confirmada pela Folha em reportagem especial. Os sites não falam, exclusivamente, do Partido dos Trabalhadores, mas manifestam-se contrários ao atual governo. A maior parte deles, simplesmente se consideram de esquerda, independentemente do partido.

Publicidade

Mudanças criadas pelo governo Temer

Desde que assumiu a presidência, ainda como governo interino, Michel Temer começou a realizar inúmeros cortes para reduzir gastos públicos e começar sua corrida para fazer o país crescer. Sua primeira ação foi diminuir o número de ministérios, agregando aqueles que foram extintos, a outros maiores. O que gerou mais polêmica foi o fim do MinC (Ministério da Cultura), que foi transformado em uma secretaria e integrado ao Ministério da Educação.

Políticos que apoiavam Dilma mobilizaram centenas de jovens para ocuparem prédios públicos do MinC exigindo a sua recriação. O ministério foi recriado sob o comando de Marcelo Calero, mas as ocupações continuaram. Foi então que os invasores disseram que só sairiam dos prédios quando Temer deixasse o governo e permitisse que Dilma voltasse. A polícia foi autorizada a retirá-los das repartições públicas, coercitivamente.

Temer também trabalha para conseguir algumas reformas importantes, como a da previdência. O governo anterior deixou um ‘rombo’ bilionário no setor, de forma que, com as atuais dividas do país, não haverá como pagar aposentadoria e pensões para mais ninguém.

Publicidade

A reforma não visa cortar direitos, como alguns movimentos informam, mas permitir a manutenção desse direito, bem como a aquisição do mesmo no caso de quem ainda irá se aposentar um dia. #PT #Michel Temer