Silvonei José de Jesus, esse é o nome do hacker que teve a audácia e a coragem de clonar o celular da esposa do atual presidente da República, #Michel Temer (PMDB). Ele clonou o celular de Marcela Temer e ainda teve a coragem de pedir R$ 300 mil para que não fossem divulgadas, na mídia, as fotos íntimas e áudios de #Marcela Temer. A informação desse crime de #Estelionato foi publicada no site G1. Segundo a reportagem, Silvonei José de Jesus já foi julgado e condenado pela Justiça. Sua pena será de 5 anos, 10 meses e 25 dias de prisão, porém, a condenação ainda não está definida, pois é cabível de recurso.

Silvonei, será encaminhado para o presídio de Tremembé, cidade que fica situada no interior do estado de São Paulo.

Publicidade
Publicidade

O processo que o condenou, foi aberto em abril e teve uma atenção especial da Justiça, pois ganhou a classificação de “prioritária”, com essa classificação, o processo correu rapidamente e, após seis meses, teve seu veredicto.

Advogado de hacker se disse chocado com condenação

O advogado de Silvonei José de Jesus, Valter Bettencourt Albuquerque, afirmou que está estarrecido e chocado com a decisão da Justiça. Em seu ponto de vista, um réu primário jamais poderia cumprir uma pena em regime fechado por cinco anos.

“Ele é baixa periculosidade, sua pena deveria ser dada em regime aberto ou semi-aberto”.

O hacker já está cumprindo sua pena, desde maio desse ano. Sua prisão preventiva foi decretada pela juíza Eliana Cassales Tosi de Mello, 30ª Vara Criminal.

Nomes fictícios

Uma curiosidade no caso é que nos autos do processo, foram utilizados nomes fictícios a todos os envolvidos no crime.

Publicidade

Para se ter uma ideia, Marcela Temer era descrita pelo codinome, “Mike”, Michel Temer “Tango”, o próprio hacker era chamado de “Tim”. Já o irmão da primeira dama, era chamado de “Kilo”.

A intenção dos codinomes era a de manter em sigilo de Justiça em relação ao crime, porém, parece que a tática não deu muito certo, mais uma vez, Marcela Temer se tornou o centro das atenções na mídia brasileira, dessa vez, sem intenção.