Menos de 48h antes da votação desse domingo, 2, o Partido dos Trabalhadores já havia tomado uma decisão após ver o resultado das últimas pesquisas eleitorais: pedir a cassação do registro político de João Doria. A decisão surgiu quando o Datafolha divulgou que Doria havia crescido nas intenções de voto e que iria para o segundo turno com quase 44% dos votos válidos.

Como representante da campanha de Haddad, o Partido dos Trabalhadores fez o pedido junto a justiça eleitoral e decidiu ajuizar uma ação contra o governador de São Paulo, de Goiás, do Paraná e do Mato Grosso, os acusando de repassar verbas para a campanha de João Doria.

Publicidade
Publicidade

Para o PT, Doria tem recebido doações de empresas que possuem contrato com o Grupo Doria e que estes recursos bancaram sua campanha. Ao ser questionado pela imprensa sobre o motivo de ter esperado o último dia de campanha para decidir pedir a cassação do adversário, o partido ou os líderes da campanha de Haddad, não se pronunciaram.

João Doria é empresário e jornalista, sendo conhecido em todo o Brasil por conta de seus programas de entrevistas na TV. Filiado ao PSDB, Doria foi ‘apadrinhado’ por Geraldo Alckmin, governador do estado de São Paulo, que por sua vez, tem grande aprovação da maior parte dos paulistas e paulistanos. Geraldo foi reeleito em primeiro turno em 2014. Doria conseguiu ser eleito em primeiro turno com mais de três milhões de votos, contra 967 mil do adversário do PT.

Publicidade

#Fernando Haddad, teve um governo muito questionado. Vencedor nas eleições de 2012 com número gigantesco de abstenções, Haddad foi a alternativa dos mais pobres, dos jovens de movimentos de esquerda e de muitos cidadãos que vieram de outros estados. Entretanto, seu governo foi marcado pelo excesso de ciclovias e pela ‘indústria’ da multa, onde inúmeras denúncias foram feitas para falar de multas aplicadas na cidade, possuindo uma espécie de 'meta' diária. Apesar de ser do PT, Haddad se diferencia de alguns dos principais líderes do partido ao divergir sobre opiniões políticas e a não dedicar seu governo ao populismo e programas sociais.

Não há prazo para uma análise do pedido feito pelo partido dos trabalhadores contra João Doria. Até lá, o tucano pode começar a planejar a sua equipe de governo para tomar posse dia 1 de janeiro. #João Dória #Eleições 2016