Logo após o juiz Sérgio Moro declarar a prisão do ex-presidente da Câmara, o deputado cassado, Eduardo Cunha, sugiram denúncias envolvendo o nome dele, de sua esposa Cláudia Cruz e da Igreja Evangélica Cristo em Casa, acusados de #Lavagem de dinheiro.

Denúncias apontam que a Igreja emprestou um valor de R$ 250 mil para a mulher de #cunha. Isso foi declarado no imposto de renda de Cláudia Cruz, em 2008, mas, como a mulher do deputado teve seu sigilo bancário quebrado por conta das investigações da Lava Jato, foi descoberto que não houve nenhuma transação bancária em nome de Claudia Cruz ou Francisco Oliveira da Silva, o responsável pela Igreja Cristo em Casa.

Publicidade
Publicidade

De acordo com as denúncias, o empréstimo foi uma simulação que tinha como finalidade esconder uma fraude praticada por Cunha com participação da Igreja.

Claudia Cruz deu depoimento para Lava Jato, em abril, e foi questionada sobre o empréstimo, mas afirmou que o tal empréstimo era desconhecido por ela. Quanto ao senhor Francisco Oliveira da Silva, ela afirmou que o conhecia apenas da igreja, mas não fez empréstimo com ele. E afirmou também que não passou por nenhum problema financeiro na época.

Esse caso não é o primeiro caso que relaciona Igrejas Evangélicas às fraudes de Eduardo Cunha. No ano passado, a Igreja Evangélica Assembleia de Deus foi denunciada por lavagem de dinheiro, quando simulou pagamento no valor de R$ 250 mil para Eduardo Cunha, em 2012.  Atualmente, o pastor da Igreja Assembleia de Deus, o senhor Samuel Cássio Ferreira, está sendo investigado pela operação da Lava Jato.

Publicidade

O pastor Samuel é filho do Bispo Manoel Ferreira.

As denúncias apontam que essas fraudes são para esconder os crimes praticados pelo ex-presidente da Câmara.

O presidente da Igreja Cristo em Casa, Francisco Oliveira da Silva, ainda não se manifestou para esclarecer o caso. Muitos canais de noticias estão procurando por Francisco ou qualquer outra pessoa que possa responder pela Igreja, mas, até o momento, não foi possível encontrar ninguém. #Corrupção