Após tornar-se réu em três ações, Luís Inácio Lula da Silva, torna-se alvo de mais uma fase da Operação #Lava Jato: uma mansão localizada em Punta Del Este, no Uruguai, um dos paraísos para turistas de todo o mundo.

A mansão teria sido comprada em nome de amigos de #Lula, assim como o sítio de Atibaia, que ora Lula disse ser de amigos, ora disse ter sido um presente de amigos. A investigação que apura essa informação, não é recente, mas sim de agosto, entretanto, foi nesse fim de semana que ganhou destaque, após uma reportagem especial da revista Época.

Propriedades localizadas no Brasil e ligadas a Lula foram alvo de investigações e também foram registradas no nome de amigos do ex-presidente, como uma cobertura em São Bernardo do Campo (ABC Paulista), um tríplex no Guarujá (litoral Paulista) e um sítio em Atibaia (interior de São Paulo).

Publicidade
Publicidade

Os investigadores acreditam que essa prática se repetiu no Uruguai. Existe a possibilidade da PF atuar em conjunto com o governo uruguaio para poder continuar as investigações.

A mansão do Uruguai pertence a uma offshore, que por sua vez possui ligação com o empresário Alexandre Grendene Bertelle, sócio de outros imóveis luxuosos no local, como o Hotel e Cassino Conrad, um dos mais chiques e badalados do país.

Em conversa com corretores locais, foi informado para a revista Época que a mansão de 7,5 mil metros quadrados e que está ligada a Lula, está avaliada em US$ 2 milhões (aproximadamente R$6,3 milhões). Lula foi procurado pela Época para explicar sua ligação com a mansão. Sua assessoria negou que ele tenha qualquer propriedade ou conta bancária no exterior e afirmou que todos os imóveis de Lula estão localizados em São Paulo e que são declarados.

Publicidade

A ligação entre Lula e o empresário ‘dono’ da mansão

Alexandre Grendene é sócio de uma empresa familiar conhecida e com produtos consumidos em todo o Brasil, sobretudo entre crianças e mulheres. Se trata da Grendene, uma das maiores marcas de calçados do país e que vende milhões de pares anualmente devido a qualidade do produto e o preço acessível.

Durante o governo de Lula, a empresa obteve empréstimos do BNDES que totalizam mais de R$ 3 bilhões. Os financiamentos são abertos para empresários investirem em seus negócios, como aumento da produção, compra de mão-de-obra e ampliação da empresa, mas os valores possuem um limite. A quantidade de financiamentos é tão alta que o MPF do Rio Grande do Sul, onde a empresa está localizada, decidiu investigar se houve alguma irregularidade durante a aquisição dos empréstimos.

A Grendene conseguiu um empréstimo de R$314 milhões para comprar a Vulcabrás, que hoje ganhou o nome de Vulcabrás-Azaleia. Alexandre e seu irmão, Pedro, conseguiram outro financiamento de 1,8 bilhão para a implantação de uma usina de açúcar e álcool durante o segundo mandato de Lula, em 2008. Por fim, foi a Grendene quem doou mais de R$10 milhões para custear a produção de um filme que contou a história de Lula. #Polícia Federal