A defesa de #Lula decidiu usar a declaração do novo prefeito de São Paulo, João Doria, a favor do ex-presidente. Em uma de suas inúmeras tentativas de se livrar de Sérgio Moro, os advogados de Lula decidiram arrolar João Doria como testemunha de acusação contra o juiz, pois acham que a presença de Moro em eventos de Doria, é algo ‘suspeito’.

O pedido formulado por Cristiano Zanin Martins, Roberto Teixeira e José Roberto Batochio, possui amplas explicações. Eles retornam em objetos que já causaram indeferimento de pedidos anteriores, como a condução coercitiva do ex-presidente, que ocorreu em março desse ano, as escutas telefônicas feitas nos telefones de Lula e de seu advogado, bem como a ligação grampeada em que conversa com Dilma, sendo que as duas que continham a ex-presidente já foram anuladas pelo Supremo Tribunal, devido a imunidade do cargo de presidente, logo, não há mais o que se falar em ilegalidade, pois a anulação tem peso de uma sentença de invalidade da prova.

Publicidade
Publicidade

Como Sérgio Moro teria sido visto, pelo menos uma vez, mas segundo seus advogados, várias vezes, em eventos de João Doria, eles acreditam que isso é uma prova da parcialidade do juiz, que mantem contado com um jornalista e filiado ao partido que é, teoricamente, o maior algoz do ex-presidente. Além disso, os advogados questionam o fato da imprensa sempre estar informada sobre os próximos passos de Moro contra o réu do MPF, Luís Inácio Lula da Silva. A defesa também salienta que João Doria ‘hostilizou’ Lula, quando disse no programa de Roberto Cabrini, que conversaria com o ex-presidente em Curitiba, deixando subentendido a sua iminente prisão.

Caso não consigam a suspeição de Moro, que consiste em afastar de um caso um juiz, devido o mesmo ser amigo ou inimigo capital de uma das partes do processo, também juntaram um pedido de exceção de incompetência, que visa afastar um juiz de um caso do qual, o mesmo não é competente, não do ponto de vista técnico, mas sim por jurisdição.

Publicidade

Os advogados querem que Lula seja julgado em Brasília, onde ocorreram os crimes apontados pelo MPF, contra o ex-presidente. #João Dória #Sergio Moro