O ex-presidente Luiz Inácio #Lula da Silva, do Partido dos Trabalhadores (#PT), foi uma das personalidades políticas que marcou presença na hora de votar neste domingo, 02, quando os brasileiros foram às urnas para escolherem seus candidatos a prefeito e vereador. Ele votou na cidade que o deixou conhecido em todo o país, São Bernardo do Campo. De acordo com o companheiro político da ex-presidente Dilma Rousseff, que conversou com repórteres após registrar o seu voto, outros partidos políticos passaram por grandes crises no Brasil, mas acabaram sobrevivendo. De acordo com o petista, a principal operação investigativa do país, a Lava Jato, não deve ter grande impacto na escolha dos eleitores. 

"O PT é a legenda preferida, com o dobro da preferência dos tucanos e do PMDB, mesmo com a crise", disse o ex-presidente durante a entrevista dada em São Bernardo do Campo.

Publicidade
Publicidade

Segundo ele, quem acredita que um dia acabará com o Partido dos Trabalhadores está bastante enganado. Mesmo dizendo que o povo tem simpatia por sua legenda, enquanto estava na escola na qual registrou o seu voto, o político foi xingado por outros eleitores. Ele foi chamado de "vagabundo" e "ladrão". O ex-presidente esteve no local pouco depois das 11h. 

Sobre os xingamentos, o político disse que eles fazem parte dos trâmites democráticos e que recebe mais solidariedade em suas andanças pelo país. É por isso, que segundo ele, assim que acabar o segundo turno das Eleições, ele voltará a percorrer o Brasil. 

É bom lembrar que 2016 ficou marcado politicamente pelo #Impeachment de Dilma e por Michel Temer assumir o cargo mais importante da política no país. Além disso, Lula virou réu duplamente na Operação LavaJato.

Publicidade

A primeira denúncia, acolhida pela Justiça Federal do Distrito Federal (DF), foi a respeito de acusações de que Lula estaria tentando atrapalhar o trabalho da Polícia Federal e da Procuradoria. Na segunda, acolhida pelo juiz federal Sérgio Moro, que votou no Paraná neste domingo, ele é acusado  de ser o chefe da quadrilha que ajudou a roubar a Petrobrás.