De acordo com as leis 632 e 636/2016, aprovadas na cidade de #macaúbas, cidade localizada no interior da Bahia, o salário dos vereadores passará, a partir de 2017, de R$ 6.100 para R$ 10.100. O prefeito irá ganhar R$ 19.600, o vice-prefeito ganhará R$ 10.300 e os secretários municipais terão subsídios mensais de R$ 5.600. A aprovação ocorreu em junho, mas a publicação no Diário Oficial do município só ocorreu meses depois, coincidentemente após as eleições na cidade.

A população criou um movimento apartidário chamado "Todos por Macaúbas", que além da revogação da lei, pede mudança no horário e frequência das sessões na Câmara Municipal, bem como diminuição das férias dos vereadores.

Publicidade
Publicidade

Um abaixo-assinado online foi criado e contou com mais de 1.500 assinaturas, além de voluntários que percorreram a cidade em busca de vistos que seriam entregues pessoalmente na Câmara.

O prefeito José João Pereira anunciou em uma rede social que a lei foi aprovada por unanimidade, e que seria difícil revogá-lá. Um político a favor do aumento denominou os vereadores como  "sofredores" e que seus salários não seriam suficientes para quitar as dívidas políticas. Ele também cobrou o desinteresse da população na construção de um asilo no local.

Na última terça-feira, ocorreu uma sessão ordinária na Câmara Municipal, na qual as reivindicações foram formalmente apresentadas, e infelizmente foram ignoradas pelos vereadores. Posteriormente, os políticos mostraram disposição para uma possível negociação dos termos com os representantes do movimento.

Publicidade

A decisão irritou ou manifestantes, que negaram o acordo.

O presidente da Câmara solicitou o envio das reivindicações para uma comissão formada pelo Poder Legislativo municipal, assim adiando a discussão para um outro dia. Curiosamente, no mesmo dia em que aconteceu a sessão na Câmara de Vereadores houve a entrega do título de Cidadão Honorário ao juiz Marinho de Nóbrega.

Em uma rede social, o movimento "Todos por Macaúbas" garantiu que não desistirá das exigências, e prosseguirá com o pedido de revogação da lei. #Polêmica #Legislação