O pastor da igreja evangélica Vitória em Cristo, Silas Malafaia, está sendo acionado pela equipe jurídica da campanha de Marcelo Freixo, candidato à prefeitura do Rio de Janeiro. Em contato com o jornal Extra, em reportagem publicada nessa semana, a assessoria do representante do PSOL disse que irá levar uma reação difamatória tomada por Malafaia à Justiça. Tais revelações podem agora ser proibidas na Justiça. O pastor publicou, nos últimos dias, vídeos na internet contra o homem que conseguiu chegar ao segundo turno das #Eleições municipais, superando, até mesmo, o PMDB de Pedro Paulo e de Eduardo Paes, atual prefeito da "cidade maravilhosa'.

Publicidade
Publicidade

Freixo disputa a preferência dos eleitores contra o Senador Marcelo Crivella, do PRB. De acordo com a pesquisa mais recente do Datafolha, Crivella tem 44% da preferência do eleitorado carioca, enquanto seu rival tem 27%. No entanto, esses números devem mudar assim que a campanha começar na televisão, como costuma acontecer. O próprio Freixo conquistou o segundo turno com apenas 11 segundos na televisão. Agora ele terá cinco minutos, mesmo tempo de Crivella

O líder da Assembleia de Deus Vitória em Cristo tem centralizado sua metralhadora no Twitter vídeos, textos e outros itens  que chama de "verdade irrefutável a respeito de quem é Freixo". As publicações são polêmicas e em uma delas Silas diz que o representante do PSOL é uma pessoa de ideologia marxista e leninista.

Publicidade

Nascido em Niterói, Freixo é criticado por pertencer à uma classe mais alta da sociedade, mas mesmo assim fazer um discurso contra a burguesia. Ele vota no bairro do Leblon, na Zona Sul do Rio de Janeiro, o metro mais caro da cidade. 

De acordo com Malafaia, o partido de Freixo, o PSOL, seria da esquerda radical, a mesma que acabou implementando a União Soviética. Além disso, ele acusa o candidato de apoiar governos criticados, como o da Venezuela, Cuba e a Coreia do Norte. Segundo o líder religioso, o representante do PSOL também apoiaria os black blocks - grupo  que causou depredação na cidade nas manifestações de 2013 - e também seria contra a Polícia Militar. Ele também lançou um site intitulado 'A Verdade Sobre Freixo'.