A força-tarefa da operação #Lava Jato investiga mais uma propriedade que poderia ser do ex-presidente da República, Luiz Inácio #Lula da Silva. Além de imóveis como o "triplex" na cidade de Guarujá, litoral de São Paulo, um sítio no interior paulista, Atibaia, e uma cobertura em São Bernardo do Campo, ABC paulista, Lula está sendo investigado desde o mês de agosto sobre uma mansão no Uruguai. 

Investigadores apontam que o esquema da mansão de Lula em Punta Del Este seria parecido com o dos outros imóveis. A tática seria passar o nome do bem material para algum "amigo", como foi o caso do triplex que tem como dono o Léo Pinheiro da empreiteira OAS, a cobertura que tem como dono o primo de José Carlos Bumlai e o sítio em Atibaia que seria de Fernando Bittar e Jonas Suassuna. 

A mansão está no nome do empresário no ramo de calçados, Alexandre Grendene.

Publicidade
Publicidade

Investigações mostraram que durante a gestão do PT, o bilionário do setor de calçados teria pego empréstimos pelo Banco de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), o valor chegou a R$ 3 milhões. 

Grendene teria uma história com Lula e com outros políticos, ele fez uma doação para o filme "Lula, filho do Brasil" e participou do programa "Fome-Zero". O empresário também comprou uma guitarra doada por Lenny Kravitz em 2005, pelo valor de R$ 322 mil, o guitarrista teria doado para o programa "Fome-Zero" e depois foi colocada em leilão. A história da compra da guitarra foi investigada pela Lava Jato. Para Grendene, as investigações envolvendo seu nome "não passa de um absurdo"

Mansão

A suposta mansão de Lula no sul do Uruguai é rodeada por praias paradisíacas, cassinos e hotéis de luxo. Lula visitou Punta Del Este em 2002, quando se elegeu como presidente do Brasil.

Publicidade

As grandes mansões da cidade lotam em temporada e é mantida durante todo o ano por caseiros que evitam quaisquer contato com jornalistas.

A mansão pertence a um terreno de 7,5 mil metros quadrados e está estimada no valor de US$ 2 milhões, sua localização é na Calle Timbó, Villa Regina. #Corrupção