Marcelo Crivella, candidato à prefeitura do Rio de Janeiro, divulgou um #Vídeo através de seu perfil no Facebook, desmentindo a capa da revista "Veja" que traz uma matéria bombástica sobre a prisão do político. Na capa, Crivella aparece em duas fotos, sendo fichado na polícia. De acordo com a matéria, ele foi preso na 9ª DP, sendo acusado de retirar à força alguns invasores que estavam em um terreno que pertence à Igreja Universal.

De acordo com a "Veja", o candidato a prefeito do Rio cita o inquérito como sendo um "espinho" e se mostrou indignado com os invasores, por isso, ele e mais 10 homens foram até o local para tirar as pessoas de lá.

Publicidade
Publicidade

Só que, no vídeo, Crivella contou uma outra versão para a mesma história. Ele negou que tenha sido preso e disse que tudo não passou de um mal entendido.

"Vocês devem estar se perguntando sobre a capa da revista Veja", foi como Crivella abordou o assunto e já foi logo afirmando que nunca foi preso, mesmo com a foto estampada na capa da revista. O político contou que, há 26 anos, ele foi realizar uma inspeção, como engenheiro, da estrutura de um muro que estava correndo o risco de cair e que poderia inclusive machucar algumas pessoas. O terreno pertencia à Igreja Universal e estava invadido, sendo que ele não conseguiu ter acesso ao muro para fazer a tal vistoria.

Crivella disse que começou uma grande confusão, sem dar detalhes nem citar os culpados, já indo para o final da história onde todos foram parar na delegacia, inclusive ele.

Publicidade

O delegado teria decidido, naquela ocasião, que todos seriam identificados e,por isso, ele saiu na foto, mas não teria sido nada além disso.

Crivella ainda afirmou que não houve processo, aliás, ele é que teria aberto um processo por abuso de autoridade e voltou a afirmar: "Nunca fui preso". O candidato ainda garantiu que pode provar, pois tem todas as certidões, as mesmas que foram usadas quando fez sua inscrição para se candidatar a prefeito do Rio de Janeiro.

Assista ao vídeo e deixe seu comentário logo abaixo.

#Polêmica #Casos de polícia