Um bispo da Igreja Universal do Reino de Deus é o novo prefeito da cidade do Rio de Janeiro. Marcello Crivella venceu com quase 60% dos votos válidos o candidato do PSOL, Marcelo Freixo. Ambos foram menos votados do que a soma de cariocas que não foi às runas, votou branco ou anulou a vontade de escolher alguém. Um retrato de como a política está desanimando muita gente. Ainda no discurso de posse, Crivella disse que venceu o preconceito e que não misturaria fé e #Religião, assim como o seu adversário frisou em ataques na propaganda eleitoral. No entanto, rezou um Pai Nosso em agradecimento e ouviu um "Amém" de uma multidão. Ao lado dele, candidatos derrotados no primeiro turno, como Flávio Bolsonaro. 

Menos de 24 horas da vitória de Crivella, a igreja dele, a Universal, já faz ataque à turma do contra, veículos de comunicação que teriam feito de tudo para o candidato se dar mal nas urnas.

Publicidade
Publicidade

A pinima da Igreja é mais forte com a Globo, que atrapalha o seu caminho de chegar à liderança na televisão. O bispo chefe da Universal, Edir Macedo, é o dono da TV Record. Ele é tio do novo prefeito do Rio de Janeiro. Durante a campanha, Marcello e a Globo tiveram muitos aflitos. O bispo decidiu, por exemplo, faltar à uma sabatina do 'RJ TV - 2ª Edição' e chegou a ser dúvida no debate da emissora, especialmente faltar a encontros promovidos por veículos do grupo Globo, como a rádio CBN. 

Os primeiros ataques após a vitória

Através das redes sociais, o programa de televisão mais conhecido da Igreja Universal, que é braço do PRB, partido de Crivella, publicou um ataque à Globo, Revista Veja, UOL e outros meios de comunicação, dizendo que nesta madrugada contaria o porquê a emissora da família Marinho foi derrotada em suas supostas mentiras.

Publicidade

A atração promete fazer ataque à Globo, que no programa eleitoral Crivella diz estar preocupada com a possibilidade dele favorecer à Record. O político nega que vá dá qualquer vantagem ao canal do seu tio, mas pouca gente, até mesmo da Universal, acredita nisso.  #Marcelo Crivella #Eleições