A presidente do Supremo Tribunal Federal (#STF), Cármen Lúcia, recebeu um ofício, de 18 dos 27 ministros que fazem parte do Tribunal Superior do Trabalho (TST), com várias reclamações contra as declarações públicas do ministro #gilmar mendes

Na semana passada, Gilmar Mendes fez várias críticas ao TST, dizendo que eles desfavorecem as decisões das empresas e possuem uma composição de modelo sindical.

No ofício encaminhado a Cármen Lúcia, os juízes comentam que as palavras proferidas por Mendes são injustas e desinformadas e acaba desqualificando o Poder Judiciário e com isso, todos os juízes. O presidente do TST, Ives Gandra Martins Filho, preferiu não se manifestar no ofício.

Publicidade
Publicidade

Ofício

No documento, os ministros se dirigiram a Cármen Lúcia, lastimando as declarações de Mendes. "É uma atitude preconceituosa vinda de um excelentíssimo ministro da Corte Suprema, que deveria respeitar e ser cortês com os juízes, além de ter uma conduta digna de um ministro membro do STF

De acordo com os ministros do TST, é um grande constrangimento essa ofensa de Mendes, que deveria atuar de forma harmoniosa e equilibrada para a uniformização da jurisprudência trabalhista no plano nacional.

Declarações de Mendes

Gilmar Mendes causou toda essa polêmica durante uma palestra, que tinha como tema: "Soluções para infraestrutura no Brasil. A platéia riu quando ele disse que, as pessoas que formam esse tribunal deveriam integrar até um tribunal da antiga União Soviética.

Segundo Mendes, o TST defende além dos limites os trabalhadores, quando analisa suas causas.

Publicidade

"Dá impressão de uma hiper proteção ao trabalhador, em um país que já tem sindicatos fortes e autônomos", ressaltou o ministro.

O ministro também comentou que a Justiça brasileira é uma das mais caras do mundo, conforme dados do Conselho Nacional de Justiça (CNJ). "As vezes o custo é alto e se espera pouco resultado", disse Mendes. Um crime contra a vida de alguém pode levar até 10 anos para ser levado a júri popular. 

Segundo dados, cada cidadão, no ano passado, pagou R$ 387,56 para garantir o funcionamento da Justiça. #CármenLúcia