O juiz federal responsável pelo comando da Operação #Lava Jato, em 1ª instância, em Curitiba, Sérgio Moro não se calou, após agir de forma surpreendente e decretar a prisão de um “peixe grande” do cenário político brasileiro, o ex-presidente da Câmara dos deputados, Eduardo Cunha na última quarta-feira (19). Ele se manifestou nessa quinta-feira (20), durante uma palestra voltada a juízes e servidores da Justiça do estado do Paraná. Para Moro, existe um “quadro de corrupção sistêmica no país” e que deve ser combatido com a “vigorosa aplicação da lei”. Além de não recuar em suas declarações sobre corrupção, Moro se mostrou destemido e valente, dizendo que a seguinte frase sobre as causas que estão sob sua responsabilidade: “Nossos processos não podem ser um faz de conta”.

Publicidade
Publicidade

As declarações de Moro foram feitas um dia após a prisão de Cunha e refletem bem a posição e a forma como o juiz de Curitiba, pensa sobre os réus que estão sob sua responsabilidade e julgamento. Apesar da coincidência, a palestra de Sérgio Moro já estava marcada para acontecer há mais de um mês e o tema (proposto pelo próprio juiz), é o seguinte: Corrupção sistêmica e Justiça Criminal”.

Moro disse também que Brasil está numa “encruzilhada no combate à corrupção”

Sérgio Moro fez uma análise da atual situação do país no que se refere ao combate a corrupção no país. Para ele, o país enfrenta um momento crucial, ou, uma verdadeira “encruzilhada ao combate à corrupção”. Além de chamar para si, a responsabilidade da mudança na forma de combate à corrupção, Moro chamou a atenção de outros colegas de profissão e afirmou que “os juízes brasileiros devem ter a consciência de seu papel nesse momento”.

Publicidade

Ele também defendeu mais uma vez, a aplicação rigorosa da lei em casos de corrupção e o respeito aos recursos públicos, pois, segundo seu ponto de vista, “muitos casos relevantes se transformaram em pó” devido ao “generoso sistema de recursos” aplicados no sistema judicial aplicado no Brasil.

Ao final de seu discurso, Paulo Roberto Vasconcelos (Presidente do Tribunal de Justiça do Paraná) disse que os servidores do tribunal do Paraná estão “emocionados com as atitudes de Moro” mostradas nos últimos anos.

Moro fez a palestra de forma gratuita, a convite do próprio desembargador Paulo Roberto Vasconcelos. #SérgioMoro #Eduardo Cunha