As primeiras audiências contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ficaram marcadas para esta sexta-feira (28). O juiz federal Sérgio Moro protocolou o pedido das acusações contra #Lula que são investigadas pela operação #Lava Jato. Os depoimentos partirão de Nestor Cerveró e Paulo Roberto Costa, ex-diretores da Petrobras, o doleiro Alberto Yousseff, o senador Delcídio do Amaral que se encontra cassado, o lobista Fernando Baiano e o ex-deputado Pedro Correa, eles serão ouvidos em novembro, com datas previstas entre o dia 21 e 25. 

Denúncia

Sérgio Moro, que é responsável pela investigações da Lava Jato, aceitou uma denúncia do Ministério Público Federal (MPF) que acusa Lula de se beneficiar de propinas em contratos da construtora OAS com a Petrobras.

Publicidade
Publicidade

Investigações apontam que Lula teria recebido o valor de R$ 3,7 milhões. Além do ex-presidente, outras sete pessoas estariam envolvidas no crime. A propina teria sido para pagar a reforma de um apartamento na cidade de Guarujá, litoral de São Paulo, onde Lula teria um "triplex".  Moro enfatizou que não irá cancelar o processo contra Lula, alegando que, conforme o procedimento do caso, há questões sobre "mérito de ação" que a defesa de Lula alega, que ficarão esclarecidas.

Segundo investigações da Polícia Federal, a OAS também teria pago para a "Granero" um valor que totalizaria R$ 1,3 milhão para que a empresa ficasse responsável por guardar bens de Lula em um depósito da empresa. Isso aconteceu entre 2011 e 2016.  A OAS poderia ter conseguido vantagens a Lula que envolvia propinas e não apenas presentes.

Publicidade

A defesa de Lula criticou a atuação de Moro, afirmando que o juiz tem um histórico de violações e que essa decisão não seria algo "surpreendente". Moro aceitou a denúncia do MPF no dia 20 de setembro.

Sérgio Moro respondeu sobre as acusações sofridas pela defesa de Lula que afirmou que o juiz federal está agindo de forma partidária e que as acusações seriam "fictícias", Moro disse que "trata-se igualmente de questões de mérito revestidas de excesso retórico". Moro enfatizou que não irá cancelar o processo contra Lula e disse que, conforme o procedimento do caso, as questões sobre "mérito de ação" que a defesa de Lula alega, ficarão esclarecidas.

Moro disse que, ao aceitar a denúncia contra Lula, o MPF teria classificado o ocorrido em associação criminosa e também há investigações contra Lula que estão no Supremo Tribunal Federal (STF).  #SérgioMoro