Luiz Inácio #Lula da Silva mostrou que não ficará sendo ameaçado sem fazer nada, e seus advogados, inclusive, já divulgaram uma nota informando que o "Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos" já aceitou a denúncia feita pelo ex-presidente no último dia 28 de julho. Lula acusou o juiz Sérgio Moro de "abuso de poder", assim como os procuradores federais envolvidos na "Operação Lava Jato".

A denúncia feita pelo petista foi primeiramente para um juízo de admissibilidade, sendo registrada no ACNUDH. Ainda, de acordo com os advogados de Lula, o governo brasileiro também precisará prestar informações ou até mesmo alguns fatos relevantes em relação à questão da admissibilidade e o prazo é de 60 dias.

Publicidade
Publicidade

Os advogados do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva alegam que houve violação da "Convenção Internacional de Direitos Políticos e Civis" por parte de Sérgio Moro e que o juiz teria violado o direito de um brasileiro, no caso o próprio Lula, que não teve privacidade para não ser preso arbitrariamente, além da violação do direito à presunção da inocência.

A denúncia não ficou apenas nas acusações e mostrou uma série de fatos, por exemplo, o dia 4 de março quando Lula foi conduzido coercitivamente. Outro fato citado foi em relação ao vazamento de dados confidenciais que acabaram sendo explorados por toda imprensa, além da divulgação das gravações que foram realizadas.

O documento emitido pelo Alto Comissariado das Nações Unidas foi entregue aos advogados do petista nesta quarta-feira, dia 26 e tão logo receberam em mãos o comunicado, já foram logo tratando de divulgar para que toda imprensa pudesse deixar claro que Lula não ficará de braços cruzados, enquanto as acusações contra ele vão sendo feitas.

Publicidade

No final do comunicado, os advogados afirmam que a ONU estará acompanhando as "grosseiras violações que estão sendo praticadas contra Lula no Brasil".

Nos próximos dias, saberemos se tal manobra terá peso e vai aliviar a vida de Lula, ou se ele continuará sendo pressionado. #Corrupção #Sergio Moro