Neste segundo turno das eleições municipais, o pastor Silas Malafaia se unirá ao bispo Edir Macedo, em uma união que visa unir o eleitor evangélico para que eles votem contra os candidatos de esquerda.

Nestas eleições, o influente pastor Malafaia se manifestou bastante contra os partidos de esquerda. Ele foi desde as redes sócias, programas de televisão e auditórios religiosos pregando contra a #Política de esquerda. Chegando até mesmo a listar os partidos em quem os fiéis não deveriam votar como por exemplo: PC do B, PT, Rede Sustentabilidade e o PSOL. Alguns desses Malafaia já apoiou em outras eleições.

Ao condenar os partidos de esquerdas, Malafaia não o faz, portanto, refutando suas propostas de gestão, mas, como religioso, ele ataca o ponto moralidade que são as políticas de combate à homofobia.

Publicidade
Publicidade

Em vídeos, ele alerta para a chamada “ideologia de gênero” como sendo proposta da esquerda.   

Segundo Lauro Jardim, jornalista do O Globo, o pastor irá mudar sua estratégia de campanha, isso porque no primeiro turno ele não disse quem ele apoiava, somente atacou os partidos de esquerda, deixando passagem para os partidos de oposição, como PSDB e PMDB, canalizarem esses votos. No Rio ele beneficiou Crivella e Pedro Paulo, sem precisar tocar no nome deles, apenas condenando seus opositores. Ele evitou pedir votos diretamente, mas Lauro Jardim acredita que agora ele vai falar o nome do santo que ele apoia.

O que ocorreu de fato é que Malafaia perdeu no Rio, pois ele não esperava que Freixo (PSOL) venceria Pedro Paulo (PMDB). Freixo tinha apenas 11 segundos de tempo de televisão, contudo é o candidato mais popular entre os jovens e os pobres da cidade do Rio.

Publicidade

Tem uma carreira estável na política, além de ser lembrado pelo filme Tropa de Elite 2. Já Pedro Paulo não é bem visto entre os evangélicos, ficou estigmatizado com o caso de violência doméstica, além de condenar Crivella pelo fato dele ser religioso.

Desse modo, apesar das discussões e desavenças históricas entre o bispo Edir Macedo e Malafaia, este irá deixar de lado para fazer o papel de diplomático e pedirá votos para o candidato do bispo Macedo, Crivella, que teve grande influência no governo do PT, tendo sido o ministro da Pesca de Dilma.   #Religião