Era para ser uma postagem de ódio. Era para ser uma postagem contra Marcelo Freixo. Era para ser uma postagem que iria influenciar o voto de milhares de cariocas no segundo turno da eleição municipal. Mas o tiro saiu pela culatra. O pastor Silas Malafaia, ferrenho crítico da igualdade de direitos entre gays e heterossexuais e opositor radical dos movimentos de esquerda em geral, e de Marcelo Freixo em particular, postou nesta terça-feira, 4, uma mensagem que dizia: "se você é a favor disso, vote em Freixo". Abaixo do texto uma imagem em que o candidato Marcelo Freixo dá um selinho no deputado federal Jean Wyllys. Rapidamente a postagem foi inundada de reações e comentários, mas não do jeito que o pastor esperava.

Publicidade
Publicidade

Ao invés das carinhas de raiva ou dos comentários ofensivos aos gays, o que se seguiu foram milhares de comentários comemorando o apoio de Malafaia ao movimento #LGBT. Os internautas brasileiros encheram a postagem do pastor de reações como "amei" e "curti". Nos comentários, mais palavras de apoio - irônicas, claro. "Amei? Achei tudo? Campanha tá fervorosa; obrigado por ajudar", disse o internauta Ikaro Marques. "Mala, sua louca, adorei esse beijão do Marcelo Freixo", brincou Mayane Menezes. Outros tentavam simplesmente entender a abrupta mudança de posição do pastor fundamentalista. "Malafaia fazendo campanha pro Freixo? Que parte da história eu perdi?", perguntou Nádiane Schiefferdecker. 

Em 24 horas a postagem com a cena de carinho teve milhares de reações. Foram cerca de 6 mil "coraçõeszinhos" e 1.700 curtidas.

Publicidade

Por outro lado, quase 400 pessoas reagiram com raiva e pouco mais de 30 fizeram uma carinha de "triste". 

Surpreso com a reação de amor e carinho das pessoas, Malafaia e sua equipe até tentaram remediar a situação. Mas a escolha das palavras não foi das mais felizes. Ele editou a mensagem e substituiu o texto por: "o partido de Freixo é o maior defensor do ativismo gay no Brasil". Parece mesmo que Malafaia está tentando eleger Freixo o novo prefeito do Rio de Janeiro.  #Eleições 2016