A maior operação de combate à corrupção já realizada na história do país, a Operação Lava Jato, a cada dia que passa traz à tona mais e mais revelações surpreendentes e, dessa vez, uma revelação surpreendente e polêmica foi feita por um nome de “peso” do Conselho de Administração da empreiteira Odebrecht, Emílio Odebrecht (pai de Marcelo Odebrecht).

Segundo informação divulgada pelo jornal Folha de São Paulo, em seu acordo de delação premiada (que está em fase de negociação), Emílio afirmou que o estádio do Sport Club #Corinthians Paulista, a moderna Arena Corinthians (Itaquerão) foi uma espécie de presente concedido pela Odebrecht (que construiu o estádio) ao ex-presidente Luiz Inácio #Lula da Silva, seu time do coração, o Corinthians.

Publicidade
Publicidade

O “presente” teria sido feito em forma de agradecimento pelos oito anos de ajuda ao grupo.

Segundo a versão apresentada por Emílio Odebrecht, o estádio foi uma espécie de “retribuição” feita pelo grupo ao ex-presidente, que é um apaixonado pelo futebol e pelo Corinthians.

Estatisticamente, de 2003 a 2015, o faturamento da Odebrecht aumentou em sete vezes. Em 2003, o grupo Odebrecht faturava R$ 17,3 bilhões. Em 2015, o grupo chegou à impressionante marca de R$132 bilhões, em valores nominais, um crescimento estratosférico.

Os relatos descritos por Emílio Odebrecht ainda terão que ser homologados pela Justiça. Além de Emílio, outros 80 executivos do grupo de acionistas da Odebrecht também buscam um acordo de delação premiada.

O filho de Emílio Odebrecht, Marcelo Odebrecht, já foi julgado e condenado a 19 anos de prisão e está cumprindo sua pena no presídio federal de Curitiba, juntamente com outros nomes famosos da #Lava Jato como Eduardo Cunha, Antônio Palocci, entre outros.

Publicidade

Arena Corinthians

O estádio do Corinthians teve suas obras concluídas em 2014 e foi o grande palco de abertura do maior campeonato de futebol do planeta, a Copa do Mundo.

O custo total das obras foi de R$ 1,2 bilhão, valor que ficou 50% acima da estimativa inicial do projeto que girava em torno de R$ 820 milhões.