A maior operação já deflagrada no Brasil, a Lava Jato, sempre sofreu ameaça por políticos corruptos que são investigados por crimes do colarinho branco. Desde que foi criada, em 2014, Sérgio Moro foi acusado pelo PT de ser manipulado por multinacionais interessadas em apoderar-se das reservas do Pré-sal. A ex-mandatária do país, Dilma Rousseff, em seu governo, com a intenção de soltar empreiteiros que estariam querendo fazer a delação premiada, tentou com suas manobras emplacar Moro no STF. De acordo com Romero Jucá, pego em uma gravação se referindo à #Lava Jato," era preciso estancar a sangria que a mesma provocou".

Os sucessivos fracassos

Entretanto, contra tudo e contra todos os corruptos investigados, a Lava Jato, sob o comando do juiz federal Sérgio Moro, resiste.

Publicidade
Publicidade

Lula, Marcelo Odebrecht, Renan Calheiros e Romero Jucá, além de outros vários parlamentares, que se aventuraram a tentar atropelar a operação, fracassaram e se deram mal.

Apesar de tudo, poderosos ainda continuam a tramar nos bastidores o fim da maior investigação contra corruptos instaurada no país. Agora mesmo Renan Calheiros e Romero Jucá marcaram nova votação na Câmara para aprovar a lei de Abuso de Autoridade. Conforme já sabemos, os referidos parlamentares já tentaram uma vez e tiveram que adiar a votação. Mas, ao que parece, não desistiram e já marcaram a data para votação em Novembro.

Ofensivas contra a Lava Jato

A câmara de deputados, há pouco tempo, tentou uma ofensiva vergonhosa. Se trata de uma tentativa de aprovar uma proposta que visava anistiar político que fez caixa dois nas últimas campanhas eleitorais.

Publicidade

Era uma proposta clandestina e o texto da anistia sequer foi publicado.O interesse seria de que poderiam alegar movimentação de recursos não contabilizados.

A proposta correu no plenário de boca em boca, mas sem autor. O objetivo da medida era aprovar na calada da noite, sem publicidade e aprová-la a toque de caixa, à revelia da sociedade. Não obstante, foram desmascarados por deputados do partido REDE e PSOL. O plano foi batizado pelos mesmos de 'Golpe da Madrugada'. Entretanto, os interessados se fingiram de mortos, os quais são integrantes dos partidos PT, PMDB, PSDB e PP.

Objetivo da tentativa de anistia

O interesse de integrantes dos partidos citados era elaborar um antídoto contra a devastadora delação de Marcelo Odebrecht, que deflagaria um verdadeiro Tsuname no meio político, pois apontaria de 150 a 300 políticos envolvidos na lavagem de dinheiro.  #Corrupção #Sergio Moro