Foi aprovado, pelo Conselho Pleno da #oab, que esta daria apoio em dois projetos legislativos que possuem, como matéria principal, a reforma política. Segundo informações do Conselho, trata-se de duas PECs (propostas de emenda a constituição), que serão encampadas pela OAB, que defende o fim das coligações partidárias em eleições, e o estabelecimento de uma cláusula, denominada "Cláusula de barreira" que visa observar o desempenho dos partidos políticos.

O presidente nacional da Ordem, Claudio Lamachia, explica que a entidade se apresenta novamente para um debate sobre o futuro nacional, esclarece que tal reforma política compõe a pauta da Ordem há bastante tempo, e foi alvo de várias propostas, ainda afirmou que, no atual momento, o fim das coligações e a cláusula de barreira são os projetos que têm mais chances de serem aprovados, e, se aprovados, já estarão vigorando nas eleições de 2018.

Publicidade
Publicidade

As Propostas de Emenda à Constituição estão cadastradas pelos números 151/2015 e 36/2016. As duas foram analisadas por comissão especial que foi estabelecida em setembro pelo #Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil.

Segundo Pedro Henrique, conselheiro integrante do Conselho Federal, o fosso que separa o povo de seus parlamentares é signo de uma grave crise de representação, e se trata de principal sintoma de colapso do sistema brasileiro, e gera consequências devastadoras à ordem social, como sentimentos de rivalidade nutridos por parte da população em relação ao Estado, e este se expressa, na maioria das vezes, pelo desprezo ao poder constituído, também acaba sendo gerado desobediência civil, violação de normas jurídicas, sonegação de imposto, isso tudo somado à baixa autoestima que o brasileiro sente no momento em relação ao "ser brasileiro".

Publicidade

O relator dos temas em análise, conselheiro Siqueira Castro, também do Conselho Federal, propôs o apoio aos projetos sobre as coligações partidárias, e afirma ainda que esse sistema deforma o sentido de existir do sufrágio individual, pois faz com que o voto do eleitor, essencial em uma democracia, eleja em razão do quociente eleitoral global de determinada coligação, um outro candidato, promovendo, dessa forma, o desinteresse e desvirtuamento da vontade do eleitor, que acaba se manifestando nas urnas. #Coligação Partidária