O presidente da República, #Michel Temer, pretende implementar uma medida, que em certo ponto, limita o poder de ação do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (#MST). Atualmente, a organização dos Sem Terra é responsável pela seleção de famílias que são aptas a serem beneficiadas através de lotes de terra, em novos assentamentos. O MST também atua em apontar quais famílias poderão ser contempladas com o título de domínio. Esse título de domínio é um documento que permeia os assentados, através de orientação para que tenham acesso ao Programa Nacional de Agricultura Familiar (Pronaf). Com a posse desse documento, os assentados podem até mesmo, vender a propriedade adquirida, por meio da Reforma Agrária.

Publicidade
Publicidade

Lançamento de programa

O #Governo federal irá lançar no dia 22 de outubro, no estado de Mato Grosso, um novo programa de Reforma Agrária, com o intuito de mprimir uma nova marca, diferentemente do que ocorre com o programa Bolsa Família, em que foi mantido o programa conforme delimitado no governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Com o ajuste fiscal do governo, o Planalto tem como objetivo, interromper a criação de novos assentamentos, já que segundo estudos, há a necessidade de que a distribuição de terras seja realizada de modo reorganizado e com regularização. As distorções foram apontadas pelo Tribunal de Contas da União (TCU), que chegou a verificar e descobrir que funcionários públicos foram beneficiados com lotes provenientes da Reforma Agrária. Entretanto, os chamados "movimentos sociais" já reagem às medidas que poderão ser tomadas pelo governo Temer.

Publicidade

Os militantes desses movimentos, alegam que a concessão de títulos de domínios de propriedades, podem acarretar uma nova concentração de terras, inviabilizando os assentamentos já existentes. Segundo Alexandre Conceição, que pertence à coordenação nacional do MST, a intenção do governo do presidente Michel Temer, é seguir uma pauta de privatização de terras. Segundo o militante, "o plano é um retrocesso à reforma agrária", ressaltou o coordenador.