Uma das maiores siglas partidárias do país, o Partido dos Trabalhadores (#PT), está pensando em mudar de nome. Assim como fez o PFL no passado, hoje Democratas, o partido que elegeu dois presidentes - #Lula e Dilma - acredita que isso pode ajudar a limpar a barra de nomes do partido, como o de Lula, que teria o plano de voltar à presidência. Sobre esse assunto, o político, às vezes nega, às vezes confirma que pode mesmo tentar o cargo novamente em 2018. De acordo com uma reportagem publicada nesta sexta-feira, 7, pelo site 'Diário do Poder', a mudança de nome do PT também evitaria uma debandada ainda maior dos filiados. O resultado nas eleições municipais teria acendido o alerta vermelho na legenda, que saiu devastada do pleito realizado no domingo, 2 de outubro. 

De acordo com uma reportagem assinada pelo jornalista Cláudio Humberto, o PT e Lula saíram assustados da eleição, não entendendo muito bem como a coisa ficou tão ruim nas urnas.

Publicidade
Publicidade

Os resultados realmente foram extremamente negativos, encolhendo a sigla em 63%. A avaliação é que mudando de nome, o impacto contra as letrinhas poderia ser menor, evitando assim que a sigla partidária diminua ainda mais. Isso porque já existe um risco de, em 2018, a eleição sagrar de vez a estancada final do clube político fundado no ABC paulista. 

O temor no PT é que sua extinção venha a ser precipitada com a eventual prisão de Lula. Sem ele, o PT acabaria, avaliam dirigentes. Já existem até estimativas de quantos deputados serão eleitos em 2018. A meta é que se elejam 30 nomes. No ano de 2014, foram 70. Atualmente, 58 parlamentares (pouco mais de 10% de toda a câmara), levam a bandeira vermelha com uma estrela no peito. "Um obstáculo para o PT mudar de nome é a autoria da proposta: o ex-ministro Tarso Genro, é de facção contrária a de Lula, que o detesta", diz um trecho da reportagem do 'Diário do Poder'. 

Assim como o PT, o antigo PFL já chegou a ter a maior bancada da câmara, elegendo, em 1998, 105 deputados.

Publicidade

O partido mudou de nome nove anos depois. Mesmo após a queda, em 2014, foram eleitos vinte e oito deputados com a legenda. #Dilma Rousseff