A Polícia Federal divulgou nesta quinta-feira, 06 de outubro, os três presos na Operação Sermão aos Peixes. A operação da PF investiga o desvio de verbas da saúde que deveriam ir para os hospitais públicos do estado do Maranhão, principalmente para o Hospital do Câncer do Maranhão. Os três acusados foram presos: dois no Maranhão (Péricles Silva Filho e Benedito Silva Carvalho) e um em São Paulo: Emílio Borges Resende.

Eles eram os responsáveis pelo serviço tercerização da saúde pública no estado. Segundo as investigações, a quadrilha teria desviado mais de R$ 36 milhões de dinheiro público.

A Polícia também cumpriu mais 28 mandados judiciais em Araguaína e Palma, em Tocantins e também em Goiânia.

Publicidade
Publicidade

Destes mandados, 12 são de condução coercitiva e 17 são de busca e apreensão de documentos.

A quadrilha que desviava dinheiro público dos pacientes doentes do estado do Maranhão possuíam aviões de luxo, que valem cerca de R$ 2,5 milhões. Além diversos outros itens de luxo.

As empresas que eram chamadas de Organizações Sociais seriam responsáveis pelo gerenciamento do dinheiro público destinado a Saúde. O hospital mais prejudicado pelo roubo foi o Hospital do Câncer do Maranhão que deveria atender mais pacientes com câncer.

Segundo a investigação, a verba pública dos pacientes em tratamento contra o câncer era depositada diretamente na conta dos envolvidos, sem disfarce nenhum.

De acordo ainda com a PF, Benedito Silva Carvalho teria desviado pelo menos R$ 110 mil do Hospital do Câncer. Algo que está revoltando os pacientes e as famílias dos doentes.

Publicidade

Os três acusados irão responder agora por lavagem de dinheiro e peculato. No ano passado a Operação Sermão aos Peixes prendeu oito suspeitos de desviar mais de R$ 1,2 bilhão dos cofres públicos. Todo o dinheiro era destinado aos hospitais públicos do Maranhão.

Mais notícias

Operação arriscada transforma a vida de um menino desfigurado

Crueldade: cachorro tem o focinho amarrado com fita isolante

Adolescentes amarram e torturam menina em Goiás #Política #Casos de polícia #Polícia Federal